PE: Campos diz serem históricos vínculos entre Guerra e Arraes

Ed Ruas, Portal Terra

RECIFE - O governador e candidato à reeleição, Eduardo Campos (PSB) avaliou, neste domingo (22), como "coerente" a postura do presidente nacional do PSDB, Sérgio Guerra, de inserir em sua propaganda eleitoral a vinculação que teve com a administração do ex-governador Miguel Arraes, avô de Campos.

"Encarei como uma questão de coerência. Na hora que Sérgio (Guerra) bota doutor Arraes ao lado e diz que trabalhou no governo Arraes é uma verdade histórica. Isso não é nenhum demérito pra ele. Todo mundo sabe que ele (Guerra) tem uma capacidade reconhecida e o que fez em dois governos, quando atuou com doutor Arraes e teve um desempenho reconhecido", afirmou o presidente nacional do PSB durante aniversário do deputado estadual João Fernando Coutinho (PSB), no Recife.

Em seu primeiro programa eleitoral, na última terça-feira (17), Sérgio Guerra lembrou a passagem que teve no governo Arraes e utilizou a seguinte frase: "O que posso dizer? Oposição aos projetos em favor de Pernambuco eu nunca farei". Além disso, a relação entre Eduardo Campos e o líder nacional do PSDB rendeu comentários de bastidores sobre uma possível adesão ao governo por parte do PSDB pernambucano no pós-eleição e causa um desconforto dentro do grupo oposicionista, principalmente à candidatura de Jarbas Vasconcelos (PMDB).

Apesar de dizer que não deveria "tratar desse assunto (a adesão do PSDB ao governo) em pleno processo eleitoral", Campos em nenhum momento descartou a possibilidade e avaliou o apoio que recebeu dos tucanos como uma "posição política de alguns militantes". Isso, mesmo diante da maciça participação de 14, dos 17 prefeitos tucanos em sua campanha, todos engajados também na candidatura de deputado federal de Sérgio Guerra.

"Tenho e todos sabem, não é de hoje, muitos amigos no PSDB de Pernambuco e no Brasil. Sabem também que participamos do governo de Aécio Neves (PSDB). E aqui (Pernambuco), temos pessoas que exerceram mandatos dentro do PSB, no governo do meu avô, mas que em um determinado momento foram apoiar Jarbas e eu nunca briguei com eles. Saíram, mudaram de partido e nunca fui detratar essas pessoas, converso com eles", justificou Eduardo Campos.

Aliados do governador dizem ser mais "vantajosa" uma aliança branca - não oficial - entre o PSDB e PSB em Pernambuco. Segundo interlocutores, caso Dilma Rousseff (PT) seja eleita, Sérgio Guerra poderia fazer "o meio-campo" entre oposição e governo na Câmara Federal, assim como Aécio Neves poderia ter a mesma função dentro do Senado.