Marina critica "infantilização" e criação de herois na política

Filippo Cecilio, Portal Terra

S O PAULO - Durante o debate Folha-UOL realizado na manhã desta quarta-feira (18), em São Paulo, a candidata à presidência da República pelo PV, Marina Silva, acusou a existência de um processo de infantilização do Brasil. Marina após evento disse que essa prática ficou clara na atuação de seus dois adversários - José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) - no debate.

"Isso se reproduziu hoje. Existe uma mentalidade de que o Brasil é uma sociedade infantilizada e que os heróis resolverão por ela seu destino. Isso não acontece assim. Cada homem, cada mulher, é sujeito de sua história. O bom governante é aquele capaz de trabalhar para que seu povo se torne independente", disse.

Marina disse ainda que existe uma cultura de patrimonialismo na sociedade brasileira. Segundo ela, as pessoas que governam o País se sentem donas das políticas públicas e dos votos dos brasileiros "achando que quando se perde ou ganha voto é porque está tirando de alguém. Não, o voto é do eleitor".

Durante o debate, a candidata do PV fez perguntas ríspidas e direcionou alguns ataques para o tucano José Serra. Questionada sobre sua mudança de postura, Marina negou que essa nova faceta demonstrada tenha relação com a queda de Serra nas pesquisas eleitorais e que isso parte faria parte de sua estratégia para alcançar o segundo turno. "Não mudei o tom. Mantive minha postura de perguntar para todo mundo, de não deixar ninguém secundário".

Na sequência, Marina se contradisse ao afirmar que "se tivesse havido chance de perguntar para Dilma, ela teria a mesma atitude que manteve em relação a Serra".

Por fim, Marina ainda reservou um ataque velado a Dilma Rousseff, dizendo que não muda de discurso de acordo com a conveniência. "Por isso me atrapalho menos quando respondo". Perguntada se seus adversários agiam dessa forma, ela disse: "Em alguns assuntos, sim. Como nesse caso do aborto".