Ibovespa sobe 2,26% e completa sexta semana consecutiva de ganhos

Uma combinação de fatores positivos levou o Índice Bovespa a uma alta expressiva nesta sexta-feira, 3, de 2,26%, alcançando 81.434,98 pontos, maior patamar desde 22 de maio, quando se iniciava a greve dos caminhoneiros. O resultado desta sexta também garantiu à bolsa completar sua sexta semana consecutiva de ganhos, num sinal de o mercado ingressou recentemente num movimento de recuperação.

O bom desempenho da bolsa no dia foi determinado principalmente pelas ações da Petrobras, que subiram mais de 3% e responderam por cerca de 20% do volume de negócios da bolsa. Os papéis responderam ao lucro líquido de R$ 10,072 bilhões obtido pela estatal no segundo trimestre do ano, resultado 40% acima da média das expectativas de analistas consultados pelo Prévias Broadcast. Como resultado, Petrobras ON e PN terminaram o dia com ganhos de 3,48% e 3,43%, respectivamente.

O cenário internacional deu sua contribuição com o "payroll", relatório de empregos do Departamento do Trabalho dos Estados Unidos. O levantamento mostrou que a economia americana criou 157 mil vagas em julho, ante expectativa de 193 mil dos analistas ouvidos pelo Wall Street Journal. Além disso, o salário médio por hora trabalhada cresceu menos que o previsto. Os dados reforçaram a expectativa de gradualismo na política monetária dos Estados Unidos, o que elevou o apetite pelo risco ao redor do mundo.

Com o noticiário amplamente positivo, os ganhos das ações da Petrobras se estenderam a outros papéis de peso na composição do Ibovespa, como bancos, siderurgia e energia elétrica. Banco do Brasil ON teve alta de 3,01%, enquanto Bradesco PN avançou 3,82%. Vale ON se beneficiou tanto da alta dos preços do minério quanto do bom humor nos mercados em geral e terminou o dia com alta de 1,92%.

A melhora da percepção com o cenário político nos últimos dias foi um dos fatores a impulsionar o mercado nos últimos dias. A definição da senadora Ana Amélia (PP-RS) para ser vice na chapa do pré-candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, foi outro fator positivo no dia. A escolha de uma parlamentar da Região Sul se somou ao noticiário mais favorável a Alckmin desde a última semana, quando foi anunciado o apoio dos partidos do Centrão à pré-candidatura tucana.

"A candidatura Alckmin estava quase desacreditada e o apoio do Centrão trouxe chances para ele. Ao mesmo tempo, as outras candidaturas se mostraram mais fracas, inclusive com desentendimentos na esquerda", disse Lucas Claro, analista da Ativa Investimentos.