Apesar de quedas em NY, Ibovespa sobe 0,51% e volta ao nível de 80 mil pontos

Mesmo com a nova rodada de quedas nas bolsas de Nova York, o Índice Bovespa encontrou espaço para avançar moderadamente nesta segunda-feira, 30, reconquistando o patamar dos 80 mil pontos. A bolsa chegou a operar em leve baixa pela manhã, mas ganhou fôlego à tarde, apoiado em ações dos setores financeiro e de commodities. Ao final dos negócios, o Ibovespa teve ganho de 0,51%, aos 80.275,59 pontos. Apesar do tom positivo, o volume de negócios foi pouco expressivo, somando R$ 7,4 bilhões.

A redução da liquidez foi atribuída em boa parte à cautela do investidor estrangeiro, que aguarda para esta semana as decisões de política monetária do Japão, Reino Unido, Estados Unidos e Brasil. Por outro lado, uma percepção de melhora no quadro eleitoral e a expectativa de balanços positivos na atual safra continuaram a impulsionar alguns dos papéis de maior peso na bolsa. A um pregão do final de julho, o Ibovespa acumula ganho de 10,33%.

"Foi um dia em que o que chamou a atenção foi o setorial, tendo os bancos como destaque de alta, em meio a rumores de que o balanço do Itaú Unibanco será favorável. Além disso, trata-se de um setor que tem se mostrado bastante sólido, crescendo mesmo em meio a juros baixos e à economia mais fraca", disse Daniel Xavier, economista-chefe do DMI Group.

Entre as ações do setor financeiro, a maior alta foi das units do Santander, que subiram 2,47%, seguidas por Itaú Unibanco PN, com ganho de 1,45%. Por outro lado, o economista apontou ações ligadas ao consumo doméstico como destaque de baixa, refletindo justamente a questão do crescimento econômico mais lento. O Iconsumo, índice que reúne 54 ações do setor, terminou o dia com baixa de 0,52%, ante valorização de 0,86% do Ifinanceiro, outro índice setorial da B3, com 15 ações de bancos, instituições de previdência e seguros, entre outros.

A chegada do Ibovespa aos 80 mil pontos às vésperas do mês de agosto é, segundo alguns profissionais, um possível limitador para o índice. Isso porque, faltando pouco mais de dois meses para o primeiro turno, a eleição presidencial segue como uma incógnita para o investidor. E alguns aspectos da eleição já foram precificados em julho, como a aliança de Geraldo Alckmin com o bloco de partidos do Centrão.

"A proximidade de eventos importantes durante a semana retrai o investidor, mas a bolsa em 80 mil pontos não anima muito o investidor, uma vez que ainda há um longo caminho até que as pesquisas eleitorais comecem a mostrar resultados mais concretos", disse Luiz Roberto Monteiro, operador da Renascença Corretora.