Bolsas da Europa fecham em alta, em meio a otimismo com BCE e acordo EUA-UE

Os mercados acionários europeus encerraram o pregão desta quinta-feira, 26, em alta, em um movimento de alívio com o arrefecimento das tensões comerciais entre União Europeia e Estados Unidos. Os agentes também monitoraram balanços corporativos e a reunião de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), que continuou a pregar sobre a importância dos estímulos financeiros na economia da zona do euro, apoiando o índice Stoxx-600 a fechar em alta de 0,87%, aos 390,53 pontos.

O quadro otimista no comércio, pintado pelo presidente dos EUA, Donald Trump, e pelo chefe da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, continuou a dar as caras em solo europeu e fez com que as bolsas europeias operassem em alta durante todo o dia. Vítimas das incertezas comerciais do governo americano, as montadoras foram as principais favorecidas, principalmente as alemãs. Em pronunciamento após a reunião, Juncker afirmou que, durante as negociações entre os dois lados, novas tarifas seriam bloqueadas, o que deu alívio às montadoras europeias tendo em vista que o governo Trump desejava impor barreiras a veículos importados, visando atingir, principalmente, os automóveis alemães.

Os riscos, no entanto, permanecem. "Embora isso impeça parcialmente a escalada tarifária, não elimina o risco de uma disputa comercial crescente. As tarifas dos EUA sobre os carros da UE ainda são uma possibilidade, por exemplo", comentou o analista Carsten Fritsch, do Commerzbank. Em Frankfurt, o índice DAX encerrou o dia em alta de 1,83%, aos 12.809,23 pontos. Entre as montadoras, a BMW subiu 4,13%, a Volkswagen avançou 3,67% e a Daimler teve ganho de 2,82%. Na bolsa de Paris, o índice CAC-40, que fechou em alta de 1,00% (5.480,55 pontos), teve ajuda da Renault (+1,50%) e da Peugeot (+1,85%).

O cenário positivo se fez completo durante a coletiva de imprensa do presidente do BCE, Mario Draghi. Apesar do dirigente dizer que a inflação deve ganhar fôlego até o fim do ano, ele reafirmou que estímulos ainda são necessários na zona do euro e comentou que "ainda é muito cedo para cantar vitória" sobre a inflação atingir a meta do banco central, de quase 2%.

Não por acaso, outros indicadores acionários europeus encerraram o dia no positivo. Em Milão, o índice FTSE-MIB fechou em alta de 1,40%, aos 21.862,87 pontos. Já na bolsa de Madri, o índice Ibex-35 encerrou o dia com ganho de 0,79%, aos 9.780,00 pontos. Em Lisboa, o índice PSI-20 destoou dos demais e fechou em queda de 0,49%, aos 5.593,01 pontos.

Já em Londres, o FTSE-100 fechou em leve alta de 0,06%, aos 7.663,17 pontos. Por lá, as ações da Royal Dutch Shell pesaram ao recuarem 3,61% após divulgação de balanço.