Bolsas da Europa fecham sem direção única em meio a incertezas no comércio global

As principais bolsas da Europa não apresentaram direção única nesta terça-feira, 26, à medida que investidores seguem digerindo o mais recente refluxo do embate comercial entre os Estados Unidos e a China, mas, no day after de baixas consideráveis e com os efeitos dos desdobramentos dessa tensão bilateral sobre o câmbio, alguns índices relevantes conseguiram encerrar em terreno positivo.

O índice pan-europeu Stoxx 600 subiu apenas marginalmente, 0,02%, para os 377,25 pontos. Entre os subíndices, destacaram-se o de commodities (+1,15%) e o de óleo e gás (+0,66%), este devido à disparada dos preços de petróleo.

Em uma semana que terminará com o início da cúpula de líderes da União Europeia, o noticiário político ganha alguma projeção, com olhares voltados para a reunião da chanceler da Alemanha, Angela Merkel, com representantes do próprio partido, a União Democrata-Cristã (CDU, na sigla em alemão) e de seus parceiros de coalizão, a União Social-Cristã (CSU) e o Partido Social-Democrata (SPD) em torno de soluções nacionais para o impasse imigratório entre esses aliados.

A Bolsa de Londres, na qual o FTSE 100 avançou 0,37%, para os 7.537,92 pontos, foi uma das que se manteve acima da linha d'água. As ações da petroleira BP ganharam 1,15%, as do HSBC avançou 0,81% e as da Melrose subiram 0,80%.

Nesta praça, repercutiu ainda o clamor da Sociedade de Fabricantes e Comerciantes de Motores (SMMT, na sigla em inglês), associação do setor automotivo, para que o Reino Unido permaneça na união aduaneira europeia mesmo que, eventualmente, deixe o bloco comercial.

Em Frankfurt, o DAX 30 caiu 0,29%, aos 12.234,34 pontos. Parte da pressão veio das quedas de 2,65% e 2,50% sofridas pelos papéis da thyssenkrupp e da Lufthansa. Lá, as montadoras também ganharam destaque, mesmo que negativo, com os recuos de BMW (-0,51%), Daimler (-0,78%) e Volkswagen (-0,84%).

O CAC 40, da Bolsa de Paris, cedeu 0,05%, aos 5.281,29 pontos, na mínima do dia. O mercado acionário parisiense viu as ações da Air France-KLM despencarem 4,57% e foi penalizado também pela siderúrgica Vallourec (-2,18%).

Na Bolsa de Milão, o FTSE MIB até avançou 0,30%, para os 21.419,27 pontos, mas o pregão foi novamente desfavorável ao setor bancário. Banca Carige caiu 2,47%, Intesa Sanpaolo baixou 1,04%, UniCredit cedeu 0,90% e Banco BPM recuou 2,58%. Entre os destaques positivos está a Fiat Chrysler (+2,81%).

O Ibex 35, da Bolsa de Madri, fechou em alta de 0,20%, aos 9.637,40 pontos, enquanto o PSI 20, da Bolsa de Lisboa, subiu 0,79%, para os 5.572,36 pontos. (Com informações da Dow Jones)