Após abertura mais forte, Ibovespa desacelera

O Ibovespa abriu com sinal positivo e acima dos 71 mil pontos nesta terça-feira, 26. Poucos minutos após o leilão de abertura, o índice marcou máximas, chegando a 71.621,51 pontos em alta de 0,94%. Às 10h36, entretanto, o Ibovespa já desacelerara a alta para 0,04% aos 70.985 pontos.

A desaceleração aconteceu logo após a abertura do mercado à vista em NY, onde Dow Jones também subia 0,04% no horário acima. S&P500 avançava 0,07%. Nasdaq, +0,08%. Em Nova York, pesa contra o mercado de ações a onda de incertezas que se avoluma com a tensão comercial entre EUA, China e União Europeia.

Considerando apenas fatores domésticos, a terça-feira começou mais favorável para os ativos brasileiros. As taxas dos contratos de Depósito Interfinanceiro (DI) e o dólar em queda após as 10 horas evidenciavam um cenário doméstico mais positivo.

Nos mercados cambial e de renda fixa, um fator que contribuiu para esse bom humor foi o teor da ata do Copom divulgada pela manhã, segundo o analista da Eleven Financial Raphael Figueredo. "A ata está ajudando, fazendo as curvas de juros futuros fecharem, o que deixa o real um pouco mais forte", afirmou Figueredo.

Sobre a ata do Copom, agentes do mercado financeiro reconheceram um tom ameno por parte dos membros do comitê. O texto sinaliza que o cenário de inflação permite a manutenção da Selic em 6,50% em agosto.

Em tempo: a Receita Federal divulgou, pouco antes do fechamento deste texto, que a arrecadação em maio somou R$ 106,192 bilhões, pouco abaixo da mediana das projeções (R$ 107,450 bilhões). Já arrecadação no ano até maio somou R$ 603,400 bilhões.