Ibovespa se descola das bolsas de Nova York e sobe 0,44%

O Índice Bovespa mostrou resiliência ante as fortes quedas das bolsas de Nova York e, apesar da volatilidade, encerrou o dia em alta de 0,44%, aos 70.952,97 pontos. O descolamento das pares americanas, que chegou a gerar surpresa nas mesas de negociação, foi favorecido pelo bom desempenho das ações da Petrobras e de alguns papéis do setor financeiro, em meio a um sentimento de redução do risco político doméstico. O volume reduzido de negócios na sessão, no entanto, mostrou pouco interesse dos investidores pelo mercado de ações. Foram movimentados R$ 8,4 bilhões, ante R$ 14,2 bilhões da média diária de junho.

O mercado iniciou o dia com viés comprador, repercutindo a decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), de retirar da pauta o julgamento de um pedido de liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Sob essa percepção de menor risco, o Ibovespa chegou à máxima de 71.323 pontos (+0,97%). Mas a abertura negativa das bolsas de Nova York anulou o movimento, refletindo os temores de que o governo dos Estados Unidos promova mais medidas protecionistas contra a China, desta vez mirando investimentos chineses em empresas de tecnologia americanas. Assim, o Ibovespa desceu até os 69.779,24 pontos (-1,22%), no início da tarde.

O sinal positivo voltou em definitivo somente na última hora de negociação, com as ações da Petrobras ampliando ganhos e alguns papéis do setor financeiro migrando para o positivo, com destaque para Banco do Brasil ON (+2,91%). No caso da Petrobras, a alta ocorreu mesmo em meio à desvalorização dos preços do petróleo no exterior. Segundo operadores, contribuiu para os ganhos a notícia da aprovação de um acordo para encerrar uma ação coletiva nos Estados Unidos. Petrobras ON e PN subiram 1,86% e 3,90%.

"Se analisarmos o cenário externo negativo e o doméstico sem notícias boas, o Ibovespa deveria ter caído hoje. A explicação pode estar no simples fato de que as ações estão amassadas demais. A bolsa está barata em reais e mais ainda em dólares", disse Rafael Bevilacqua, estrategista da Levante Ideias de Investimento. Dada a vulnerabilidade do mercado brasileiro, Bevilacqua afirma que uma nova rodada de perdas em Nova York dificilmente será ignorada no Brasil.

O destaque negativo entre as blue chips ficou com os papéis da Vale, que caíram 1,77%. A queda das ações da mineradora foi atribuída à tensão comercial entre Estados Unidos e China. Apesar de o minério de ferro ter fechado em alta no mercado à vista chinês, outras mineradoras pelo mundo também viram suas ações caírem hoje.