Cade investiga  os líderes do movimento dos caminhoneiros

Além das entidades que representam as empresas transportadoras, a investigação aberta pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) teve a inclusão de vários nomes de lideranças do movimento dos caminhoneiros. Entre eles, foram incluídos os dois principais líderes do movimento: o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores Autônomos (CNTA), Diumar Bueno, e o presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca Lopes. Há outros nomes de entidades dos trabalhadores, como Unicam e Sinditac, além de novas entidades ligadas às empresas transportadoras.

Uma dessas entidades citada no processo aberto pelo Cade é a Federação das Empresas de Transporte de Carga do Estado de São Paulo (Fetcesp). A entidade produziu um vídeo em maio de 2017 que citava possíveis consequências de uma paralisação. O vídeo citava que, no quinto dia sem caminhões, o Brasil enfrentaria situação de caos. Através da assessoria de imprensa, o Cade diz não é possível afi rmar se o vídeo fará ou não parte da investigação. 

Quando o vídeo foi lançado em maio do ano passado, o presidente da Fetcesp, Flávio Benatti, explicou que o objetivo era chamar atenção da sociedade para a importância do setor. “Muitos reclamam da circulação de caminhões, mas se esquecem da importância do transporte rodoviário de cargas para a subsistência de cada um de nós. Pretendemos iniciar um processo de conscientização da necessidade de conviver com o transporte de cargas para o bem de toda a sociedade e economia”, disse o presidente da entidade na época.

Preço mínimo 

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (MDB-RR), é o relator do projeto de lei 121/2017, que estabelece uma política de preços mínimos para os fretes rodoviários. Jucá foi designado relator da matéria em novembro do ano passado na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), mas não apresentou parecer sobre a proposta desde então.

Para atender a pedido de entidades dos caminhoneiros, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), marcou sessão do plenário para hoje, às 16h. O objetivo é limpar a pauta de votações, trancada por seis medidas provisórias (MP), e, em seguida, votar requerimento de urgência para apreciação do projeto que trata dos fretes, com apoio de Jucá.