Cielo lucra R$1 bi no 1º trimestre

A Cielo, controlada por Bradesco e Banco do Brasil, registrou lucro líquido pelo critério IFRS de R$ 1,007 bilhão no primeiro trimestre, um crescimento de 0,5% em relação ao R$ 1,002 bilhão registrado no mesmo período de 2017. Em relação ao último trimestre do ano passado, quando o valor foi de R$ 1,043 bilhão, houve queda de 3,4%, uma vez que o indicador sofre influência sazonal por conta das vendas de fim de ano.

 Com ajustes, o lucro líquido da Cielo totalizou R$ 932,0 milhões de janeiro a março, recuo de 7,0% ante o primeiro trimestre do ano passado, quando o resultado ficou em R$ 1,002 bilhão. No comparativo trimestral, a queda foi de 10,6%. A Cielo informa que no primeiro trimestre registrou efeitos extraordinários de R$ 75,1 milhões e que explicam a diferença de um lucro para o outro. 

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização)  foi de R$ 1,243 bilhão nos trimestre, queda de 6,0% na comparação com o mesmo período de 2017, quando foi de R$ 1,322 bilhão. Já a receita operacional líquida totalizou R$ 2,785 bilhões no primeiro trimestre, queda de 0,6% em 12 meses. Em um ano, a retração foi de 8,3%. “A queda é, basicamente, explicada pelo aumento dos impostos sobre a receita decorrente da mudança do ISS e da contração registrada   na receita de aluguel, reflexo da queda no parque de terminais, bem como pelo efeito de mix de clientes e fraca recuperação do mix de produtos”, explica a Cielo.