Bolsas da Europa fecham em queda, com cautela sobre comércio global

As bolsas europeias fecharam em baixa nesta quinta-feira, 3. Os negócios receberam a influência negativa da cautela sobre o comércio global, em meio a reuniões entre autoridades de Estados Unidos e China sobre o tema. Além disso, houve realização de lucros após altas recentes, em alguns papéis.

O índice pan-europeu Stoxx 600 teve queda de 0,75%, a 384,54 pontos.

Uma comitiva de graduadas autoridades dos EUA está em Pequim para reuniões com o governo local, a fim de tentar solucionar os conflitos recentes na arena comercial. O presidente americano, Donald Trump, anunciou a imposição de tarifas às importações de aço e alumínio, o que gerou anúncios de retaliação da China. Agora, o diálogo deve dizer o que pode de fato se concretizar ou se os dois lados chegarão a um acordo e desistirão dessas tarifas.

O quadro impôs certa cautela nos mercados acionários, também na Europa. Além disso, investidores aproveitaram-se de altas recentes. "Alguns dos principais índices europeus atingiram ontem seus níveis mais altos desde fevereiro e os investidores agora embolsam algum lucro", comentou David Madden, da CMC Markets.

Na agenda, o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) da zona do euro subiu 1,2% em abril, na comparação anual, menos que a alta anual de 1,3% de março. Analistas previam 1,4%, mas o índice está agora mais distante da meta de quase 2% do Banco Central Europeu (BCE). Além disso, a Comissão Europeia divulgou projeções atualizadas e previu crescimento de 2,3% na zona do euro em 2018 e de 2% no ano seguinte.

Na bolsa de Londres, o índice FTSE-100 teve queda de 0,54%, a 7.502,69 pontos. Entre os bancos britânicos, Barclays caiu 1,34% e o HSBC cedeu 1,16%, mas Lloyds subiu 0,54%. A petroleira BP, por sua vez, recuou 0,64%.

Em Frankfurt, o índice DAX caiu 0,88%, a 12.690,15 pontos. Adidas teve baixa de 6,81%, após divulgar um balanço que não agradou aos investidores. Deutsche Telekom caiu 1,24%, entre os papéis mais negociados, mas E.ON subiu 0,81%.

Na bolsa de Paris, o CAC-40 recuou 0,50%, a 5.501,66 pontos. Air France-KLM teve baixa de 3,72% e Gaussin caiu 6,08%, enquanto Crédit Agricole perdeu 1,76%. Já o papel da Total subiu 0,25%.

O FTSE-MIB, da bolsa de Milão, fechou em baixa de 0,83%, a 24.064,46 pontos. Entre os bancos italianos, Banca Carige ficou estável, Intesa Sanpaolo caiu 0,49% e BPM recuou 1,57%. A ação da Fiat Chrysler também fechou em território negativo (-2,32%).

Em Madri, o índice IBEX-35 caiu 0,50%, a 10.038,80 pontos. O papel mais negociado foi o do Santander, com queda de 1,15%, mas Banco de Sabadell subiu 0,74%. Iberdrola caiu 0,15% e Abengoa, 0,84%.

Na bolsa de Lisboa, o PSI-20 recuou 0,20%, a 5.486,78 pontos. Banco Comercial Português teve queda de 2,04% (Com informações da Dow Jones Newswires)