'The Guardian': Reino Unido e UE caminham para guerra fria econômica, diz ministro 

Mario Giro afirma que 'batalha de interesses' pode ter conseqüências terríveis para o mundo

Um alto funcionário do governo italiano alertou que o Reino Unido e a União Européia estão caminhando para uma "guerra fria econômica" contra a Brexit, que poderia causar sérios estragos no Ocidente e enfraquecer o continente, de acordo com matéria publicda nesta segunda-feira (30) pelo The Guardian.

Mario Giro, vice-ministro das Relações Exteriores da Itália, disse que, embora muitos países da UE tenham dito que o voto do Reino Unido para deixar a UE representava uma perda para o sindicato, haviam mais questões na mira da UE contra o Reino Unido do que parecia, diz a reportagem do jornal britânico.

"Quando estamos entre os 27 [países dentro da UE, não incluindo o Reino Unido], os linha dura são mais numerosos do que parecem. Não posso citar um país em particular no momento. Vamos vê-lo no início da negociação ", disse Giro em uma entrevista com para o Guardian.

> > The Guardian UK and EU heading for economic cold war, says Italian minister

"Estamos ouvindo cada vez mais que há pessoas - interesses econômicos - que pensam que podem herdar alguma posição econômica, pensando que podem tirar do Reino Unido uma parte da posição da cidade de Londres. Não a Itália, é claro, porque não estamos nessa posição. E esta será uma guerra econômica. Digamos que uma guerra fria econômica, e não estamos a favor. "

O diário lembra da declaração feita no mês passado pela primeira-ministra britânica, Theresa May, na qual ela disse que o Reino Unido estava preparado para um "duro Brexit" se não conseguisse negociar um acordo razoável com a UE sobre a partida da Grã-Bretanha. Ela acrescentou que tentativas de outros países da UE para vingar o Reino Unido seriam um "ato de autodestruição calamitosa" porque o Reino Unido, por sua vez, estaria preparado para cortar radicalmente impostos para atrair negócios.

Funcionários italianos sempre disseram que sua prioridade nas negociações da Brexit seria garantir os direitos de centenas de milhares de italianos que viviam no Reino Unido, informa o Guardian.

Giro sugeriu que uma "batalha de interesses" - que ele descreveu como uma competição entre interesses econômicos, não necessariamente estados individuais - poderia ter conseqüências terríveis, finaliza o Guardian.

Giro se recusou a citar preocupações específicas ou os interesses econômicos que ele estava se referindo, mas disse que o "mundo financeiro está se reposicionando".

"Isso vai ser uma desgraça. Para entrar em uma nova era de dura concorrência em questões de dinheiro envolvendo empresas, isso é muito ruim para o mundo ocidental. Nós não precisamos desses tipos de tensões neste momento de Parque Jurássico geopolítico ", disse ele, dando a entender que era um mundo onde cada interesse era para si.

"A Itália sempre teve boas relações com a América e não importa qual presidente os EUA têm", disse ele. 

"Trabalharemos com a nova administração como fizemos com os anteriores. Vale ressaltar que a Itália é muito favorável ao reforço da União Europeia e não a dissolvê-la. Isso é algo que todo mundo sabe. "