'WSJ': Produção Industrial do Brasil mergulha em agosto

Reportagem fala sobre baixo índice de confiança em governo Temer

Matéria publicada nesta quarta-feira (5) pelo jornal norte-americano The Wall Street Journal aponta que a produção industrial declinou 3,8% em agosto, ante julho, de acordo com o IBGE. A queda, liderada por um declínio acentuado na produção industrial, eliminou cinco meses consecutivos de aumento e veio pior que o esperado. Economistas consultados previam um declínio de 3,1%.

Segundo a reportagem os preços de ativos no Brasil subiram desde que Dilma Rousseff foi suspensa em maio e substituída por Michel Temer, o vice-presidente pró-negócios que de imediato prometeu equilibrar as contas governo. Dilma acabou cassada e afastada do cargo pelo Senado do país. Muitos economistas expressaram otimismo nos últimos meses e acreditam que a recessão pode estar perto do fim.

O Journal destaca que este declínio de agosto na produção industrial complica essa perspectiva de melhora.

"O tamanho da queda na produção em agosto foi grande o suficiente para reverter todos os ganhos obtidos nos últimos cinco meses", disse Neil Shearing, economista-chefe de mercados emergentes da Capital Economics. 

"Como resultado, a produção já voltou a afundar volta para um recorde de baixa recente e está no nível mais baixo desde 2004."

O jornal norte-americano acrescenta que dados recentes do comércio também pintaram um quadro preocupante para a economia do Brasil. As importações despencaram 9,2% em setembro ante o ano anterior, refletindo a ainda fraca demanda do consumidor. As exportações, vistas por muitos economistas como a chave para reanimar a indústria do Brasil em meio a um mercado interno muito sofrido, caiu 2,2%, levantando preocupações de que o real está prejudicando a competitividade dos exportadores.

O WSJ ressalta que em pesquisa publicada nesta terça-feira (4) o governo de Michel Temer conta com índices de aprovação muito baixos. Apenas 14% dos entrevistados consideram o governo Temer bom ou ótimo, em comparação com 39% que pensam que o governo é ruim ou terrível, de acordo com a pesquisa realizada pelo Ibope.

Economistas esperam que o produto interno bruto do país diminua cerca de 3,14% este ano, depois de contrair 3,8% em 2015, finaliza o WSJ.