Bovespa inverte direção e passa a subir nesta terça-feira

Dólar opera em alta, seguindo o exterior

O principal índice da Bovespa recuava nos primeiros negócios desta terça-feira (19), com o declínio em bolsas no exterior, após nove sessões consecutivas de ganhos. Contudo, no final da manhã, inverteu a direção e passou a subir.

O relatório do FMI divulgado nesta terça-feira (19) que afirma a possível retomada do crescimento da economia brasileira em 2017, após dois anos encolhendo pode ter influenciado positivamente os investidores e aumentado a confiança para investimentos.

No âmbito nacional, o mercado espera o encontro do presidente-interino, Michel Temer, com a equipe econômica.

O quadro externo influencia a queda. Os pregões europeus operavam no vermelho e Wall Street teve uma abertura mais fraca, mas com os balanços de Goldman Sachs e J&J limitou as perdas.

Às 10h33, o Ibovespa caía 0,05%, a 56.454 pontos.  

Às 11h28, o índice subia 0,20%, com 56.596 pontos.

Às 12h24, a bolsa subia 0,16%, aos 56.574 pontos.

O destaque da sessão vai para as ações ordinárias e preferenciais da Vale, que caem quase 4%, vendidas a R$ 16,94 e R$ 13,62, respectivamente. Isso ocorreu por conta da fraqueza dos preços do minério de ferro à vista na China.

O papéis preferenciais da Petrobras subiam 2,25% e as ordinárias avançavam 1,1%, conforme seguem expectativas ligadas à venda de fatia na BR Distribuidora, ignorando a falta de definição da direção do petróleo.

Na véspera, o Ibovespa avançou 1,63%, a 56.484 pontos, renovando máxima de fechamento desde 15 de maio de 2015.

No mês de julho, a bolsa acumula ganhos de 9,62%. No ano, a alta já passa de 30%. 

Dólar sobe

Nesta terça-feira (19), o dólar opera em alta acompanhando o pessimismo nos mercados externos, após ter fechado em queda pelo quinto dia seguido na véspera.

Às 9h39, a moeda norte-amerciana subia 0,76%, vendida a R$ 3,2767. 

Às 10h36, o dólar subia 0,69%, a R$ 3,2767.

Às 11h28, o dólar subia 0,86%, a R$ 3,2820.

Às 12h25, a moeda valorizava 0,73% frente ao real, a R$ 3,2778.

No âmbito local, há expectativas com a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) desta semana, para a qual a expectativa é de que o Banco Central mantenha a Selic nos atuais 14,25%. Além disso, o mercado dá uma pausa em meio ao recesso branco do Congresso, que tirou do foco principal o cenário político. O Banco Central novamente oferta até 10 mil swaps reversos, que equivalem à compra futura de dólares. 

Na véspera, o dólar caiu 0,07%, vendido a R$ 3,2517, em um recuo pela quinta sessão seguida. No mês de julho, a moeda dos EUA sobe 1,19% até segunda. No ano de 2016, o dólar recua 17,6%. 

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais