'Bloomberg': Real tende a ganhar com Brexit, diz analista que mais acertou

Matéria publicada nesta sexta-feira (8) pela agência Bloomberg, conta que após registrar o melhor desempenho da região este ano, o real está entre as moedas de países emergentes que mais se beneficiam com a saída do Reino Unido da União Europeia, diz o analista que mais acertou projeções para a moeda brasileira. Após o chamado referendo do Brexit, “as moedas de países emergentes tendem a se beneficiar com os fluxos antes destinados à zona do euro e a países do Leste Europeu, o que deve contribuir para a apreciação do real”, disse Antonio Cesarano, chefe de estratégia de mercado do banco de investimento italiano MPS Capital Services, em Siena, na Itália. “O Brasil aproveita também essa onda positiva gerada pela mudança de liderança no país com o impeachment”.

Segundo a reportagem da Bloomberg, o real foi a moeda com melhor desempenho do mundo em 2016, com ganhos acumulados próximos de 19 por cento, em meio ao aumento de confiança do novo governo. Cesarano e sua equipe estimam que o real se desvalorizará temporariamente no terceiro trimestre porque os investidores tirarão vantagem da forte apreciação recente, disse ele. O time coordenado por Cesarano teve a estimativa mais correta para a moeda brasileira nos dois primeiros trimestres do ano, segundo dados compilados pela Bloomberg, e mudou a previsão para a moeda americana no fim do terceiro trimestre de R$ 3,70 para R$ 3,50 após o Brexit. O real teve uma valorização de 0,2 por cento desde o referendo de 23 de junho, comparado a uma queda média de 1,3 por cento das moedas dos países emergentes. As incertezas decorrentes do Brexit e das eleições em diferentes partes da zona do euro podem fazer com que o Fed permaneça mais “dovish”, o que dará suporte ao real no primeiro semestre do ano que vem, disse Cesarano.

A economia brasileira, conforme diz o texto da Bloomberg,  tem uma exposição relativamente baixa ao comércio exterior com o Reino Unido e a Europa. O Reino Unido era o 10º maior parceiro comercial do Brasil no fim de fevereiro, com US$ 542,3 milhões em comércio total naquele mês, mostram dados compilados pela Bloomberg. A China, os EUA e a Argentina são os três maiores parceiros comerciais do país. O real caiu nas últimas quatro sessões em meio a intervenções do Banco Central por meio de leilões de swap reverso, o equivalente à compra de dólares no mercado local. Os leilões têm o efeito de enfraquecer o real. A MPS Capital Services é a unidade de banco de investimento do Banca Monte dei Paschi di Siena, da Itália, o banco mais antigo do mundo.