Bolsa vira e opera em alta na tarde desta sexta-feira

Dólar segue registrando queda, com cotação abaixo de R$ 3,60

O ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, opera em alta na tarde desta sexta-feira (1), tendo revertido a tendência após registrar queda pela manhã. As incertezas do cenário político doméstico influenciam o movimento dos investidores.

Às 10h12, a queda era de 1,30%, aos 49.402 pontos.

Às 11h15, a baixa era de 0,34%, aos 46.884 pontos.

Às 15h50, no entanto, a bolsa já tinha se recuperado e operava em alta de 1,42%, aos 50.767 pontos. 

Os papeis da Petrobras estavam entre as principais desvalorizações no início do dia. Às 11h, as ações ordinárias tinham baixa de 4,42%, a R$ 10,16. Já as preferenciais caíam 3,71%, a R$ 8,04. Já às 15h57, apesar de os papéis ordinários ainda registrarem queda de 0,85%, a R$ 10,54, os preferenciais subiam, se valorizando em 0,24%, a R$ 8,27. 

A Gerdau e a Vale, acompanhando a valorização do minério de ferro no exterior, registram forte crescimento, avançando cerca de 8% e 5% respectivamente. 

O desempenho irregular dos papeis da estatal são motivadas pelo Plano de Incentivo ao Desligamento Voluntário, anunciado pela empresa, que espera que 12 mil empregados participem. Com as demissões e a elevação da produtividade, a companhia espera ter retorno de R$ 33 bilhões até 2020.

Dólar opera com volatilidade

O dólar oscila nesta sexta-feira (1). Durante as primeiras horas da manhã, a moeda norte-americana apresentava alta perante o real. Por volta das 11h, o cenário já era de baixa.

Às 9h53, a valorização era de 0,01%, a R$ 3,5967.

Às 11h35, a moeda tinha queda de 0,21%, a R$ 3,5854.

Às 16h, o dólar caía 0,89%, cotado a R$ 3,5608. 

Indústria impulsiona bolsas na China

As ações chinesas encerraram a negociação desta sexta-feira (1) em alta, ampliando os ganhos da semana. A recuperação da atividade industrial em março, que expandiu pela primeira vez em nove meses, alavancou os papeis no pregão. 

Em Xangai, o índice SSEC avançou 0,17%, aos 3.008 pontos. O CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, avançou 0,12%, aos 3.221 pontos. 

A agência Standard & Poor's cortou a perspectiva de crédito soberano da China de estável para negativo, o que impediu uma alta mais expressiva no pregão.

Já os dados fracos da economia japonesa pressionaram a bolsa do país. Em Tóquio, o índice Nikkei teve desvalorização de 3,55%, aos 16.164 pontos.

Nas outras praças do continente, o cenário também foi de baixa. Em Hong Kong, o índice Hang Seng caiu 1,34%, aos 20.498 pontos. O Kospi, em Seul, recuou 1,12%, aos 1.973 pontos. Em Taiwan, o Taiex teve queda de 1%, aos 8.657 pontos. O índice Straits Times, em Cingapura, registrou recuo de 0,79%, a 2.818 pontos.