Dólar fecha em leve alta nesta terça-feira

Bolsa avança em meio à turbulência política e anúncios do Fed

O dólar fechou em alta nesta terça-feira (11), em pregão marcado pelo anúncio por parte do Banco Central de um leilão de swap cambial reverso. relativo à compra futura de dólares. 

Os investidores também acompanham com forte expectativa a repercussão e as consequências diretas do rompimento do PMDB com o governo, oficializado hoje. 

O mercado doméstico reagiu positivamente ao discurso da chair do Federal Reserve (Fed), Janet Yellen, que garantiu a manutenção da taxa de juros nos valores atuais. 

A moeda americana subiu 0,33%, vendida a R$ 3,6379. No mês de março, o dólar tem queda de 9,13%. Em 2016, a moeda acumula baixa de 7,85%.

Bovespa avança em meio à turbulência política 

Com as ações do setor bancário entre as maiores altas, o Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, cresceu no pregão de hoje. Investidores acreditam que a saída do PMDB da base governista aumentaria as chances de impeachment da presidente Dilma Rousseff, que agora se encontra ainda mais enfraquecida para enfrentar o processo. 

As declarações da presidente do Fed, Janet Yellen, de que não haverá aumento dos juros a curto prazo nos Estados Unidos, e de que a questão deverá ser tratada com cautela pelo banco central americano, fortaleceram o tom positivo no mercado doméstico. 

O índice avançou 0,62%, aos 51,154 pontos. 

As ações da Petrobras apresentaram volatilidade ao longo do pregão, fechando em leve queda em razão da desvalorização do barril de petróleo no mercado internacional. Os papeis ordinários da estatal, PETR3, caíram 0,15%, a R$ 10,63, enquanto os preferenciais, PETR4, recuaram 0,59%, vendidos a R$ 8,49. 

A Vale também caiu, acompanhando a queda do preço do minério de ferro na China. Suas ações ordinárias, VALE3, recuaram 0,53%, a R$ 15,09, ao mesmo tempo em que as preferenciais, VALE5, se desvalorizaram em 0,70%, a R$ 11,31. 

Ficaram por conta dos bancos as altas mais importantes da bolsa. Itaú e Unibanco cresceram mais de 2%, e os papéis ordinários do Banco do Brasil cerca de 3%. 

Entre as ações mais negociadas estavam Rumo Logística (+7,16%), Localiza ON (+3,93%) e Cesp PNB (+3,04%). Na outra extremidade, as maiores quedas foram da CSN ON (-5,12%), da Natura ON (-2,98%) e da Suzano Papel e Celulose (-2,69%).

Bolsas asiáticas fecham em baixa

O possível aumento de juros nos Estados Unidos, que deve ser anunciado às 12h30 (horário de Brasília) desta terça-feira (29) pela presidente do Federal Reserve (Fed), Janet Yellen, provocou cautela e baixa no fechamento das bolsas asiáticas.

Na Bolsa de Tóquio, o índice Nikkei, que reúne as ações mais negociadas na capital japonesa, a queda moderada foi de 0,18%, a 17.103 pontos, também pressionada por ações que deixaram de pagar dividendos referentes ao ano fiscal que se encerra neste mês. Nesta segunda-feira (28), o pregão havia registrado alta de 0,77%.

Na China, o índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, teve desvalorização de 1,08%,  a 3.135 pontos; enquanto o índice SSEC, em Xangai, recuou 1,26%, a 2.920 pontos. Nesse caso, pesaram as preocupações diante do recente avanço da inflação no país, o que poderia levar Pequim a segurar o relaxamento de sua política monetária.

O índice sul-coreano Kospi, em Seul, subiu 0,62%, a 1.994 pontos, enquanto o Hang Sengm de Hong Hong, teve ligeira alta de 0,1%, a 20.366 pontos. Em Taiwan, o Taiex registrou queda de 0,8%, a 8.617,35 pontos, e o filipino PSEi teve recuo 0,82%, em Manila, a 7.274 pontos.

Na Oceania, também influenciada pelo resultado do Fed a ser anunciado, o índice S&P/ASX 200 da bolsa australiana, que reúne as empresas mais negociadas em Sidney, teve queda de 1,6%, a 5.004 pontos.