Bolsas da China registram queda com dados sobre inflação

Principais índices asiáticos seguiram movimentos diversos nesta quinta-feira

Os principais índices financeiros da China fecharam em baixa nesta quinta-feira (10). A inflação ao consumidor no país teve uma alta de 2,3% em fevereiro em relação ao ano anterior, em um ritmo mais forte do que o esperado, que compromete a adoção de medidas monetárias. 

O Xangai Composto, principal índice do gigante asiático, teve queda de 2%, aos 2.804,73 pontos. enquanto o Shenzhen Composto, índice de menor abrangência na china, registrou baixa de 1,4%, aos 1.688,97 pontos.

A inflação anual ao consumidor da China ficou em 2,3% em fevereiro, contra 1,8% do mês anterior -- a previsão era de que ficasse em 1,9%. 

O mercado também respondeu a rumores de que o país asiático pretenderia rever a legislação para valores mobiliários, e ainda ao clima de expectativa com o Congresso Nacional do Povo que é realizado nesta semana.

No restante da Ásia, o movimento foi de alta e também de baixa. Em Tóquio, o Nikkei subiu 1,26%, a 16.852,35 pontos. Em Seul,  o Kospi avançou 0,84%, a 1.969,33 pontos. Em Taiwan, o Taiex teve alta de 0,3%, a 8.660,70 pontos. Em Hong Kong, por outro lado, o Hang Seng teve baixa de 0,06%, a 19.984,42 pontos. Na Austrália, o S&P/ASX 200 também recuou, 0,1%, aos 5.150.10 pontos.

Na véspera, as bolsas da China interromperam uma sequência de altas com o mercado, com o mercado preocupado com o desempenho da economia do gigante asiático e ainda sob influências de novas baixas no preço de commodities. O principal índice do país, o Xangai Composto, havia fechado em queda de 1,3%, aos 2.862,56 pontos. 

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais