Banco Central chinês anuncia medida que limita crédito

O Banco Central da China anunciou nesta sexta-feira (19) que aumentará o coeficiente de reservas obrigatórias de algumas instituições financeiras. A medida representa um endurecimento, inesperado, da política monetária do país, apesar de autoridades terem negado que o objetivo seria um freio na expansão do crédito. 

O chamado "Banco do Povo da China" emitiu um comunicado oficial em que explicava que "alguns bancos já não respondem aos critérios exigidos para se beneficiarem dos coeficientes preferenciais de reservas obrigatórias".

Essas instituições se verão forçadas a aumentar seus "encaixes" (porcentagem de recursos em reservas líquidas que devem ser mantidos congelados) para limitar sua capacidade de crédito, apesar de o banco emissor chinês garantir que "a grande maioria dos bancos não será afetada". 

O Banco Central chinês chegou a cortar em seis ocasiões, desde 2014, sua taxa de referência para incentivar o crédito, reduzindo em outras várias ocasiões os "encaixes" dos bancos. O objetivo era incentivar novos empréstimos com a condição de que fossem destinados a empresas pequenas e explorações rurais, mas a flexibilidade extrema provocou uma expansão preocupante desses empréstimos.