Petróleo registra alta nesta quinta

Os preços do petróleo se valorizam nesta quinta-feira (14). Na véspera, o barril de Brent fechou em mais uma baixa, na marca dos US$ 30, enquanto o WTI teve leve alta, também ficando nos US$ 30 -- ambos pressionados por dados sobre estoques nos Estados Unidos.

Às 8h33 desta quinta-feira, o Brent tinha alta de 0,80%, a US$ 30,42, enquanto o barril do WTI se valorizava 0,80%, a US$ 30,73.

Às 9h43, o barril do Brent avançava 0,56%, cotado a US$ 30,35. Já o WTI mantinha a valorização em 0,80%, a US$ 30,73.

Às 10h15, a cotação do Brent se valorizava 1,13%, na marca dos US$ 30,52, enquanto o WTI avançava 1,23%, a US$ 30,85.

Às 11h29, alta do Brent estava em 0,86%, cotado a US$ 30,44; e o preço do barril do WTI avançava 1,36%, a US$ 30,90.

Às 14h19, o Brent subia 1,28%, cotado a US$ 30,57. Já o WTI avançava 2,03%, para US$ 31,10.

Na quarta-feira (13), o barril de Brent para entrega em fevereiro fechou cotado a US$ 30,31, com baixa de 1,78%. Já o barril de WTI fechou com leve alta de 0,1%, cotado a US$ 30,48, interrompendo uma sequência de sete baixas consecutivas. 

Dados do governo norte-americano que indicaram alta maior que a esperada nos estoques de gasolina e diesel pressionaram a cotação, e o barril do Brent chegou a ser negociado abaixo dos US$ 30 pela primeira vez desde abril de 2004. 

As perdas no barril de Brent já chegam a quase 20% apenas neste novo ano, sofrendo a influência também de novas preocupações com a economia chinesa, que afetam a demanda do país asiático por petróleo, e a ausência de contenção na produção e oferta global em meio à crise entre Arábia Saudita e Irã.

Até mesmo empresas gigantes do setor têm sentido fortemente o impacto da queda brusca. O grupo petroleiro britânico BP anunciou nesta semana a intenção de eliminar quatro mil empregos no mundo em dois anos.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais