Dólar sobe e Bovespa cai, após Fitch rebaixar nota do Brasil

O dólar ampliou a alta e a Bovespa acentuou a queda, mas se recuperou, após agência de classificação de risco Fitch rebaixar o rating soberano do Brasil, tirando sua nota de investimento. A nota da dívida de longo prazo do país em moeda estrangeira foi reduzida de BBB- para BB+, primeiro degrau em terreno especulativo, nesta quarta-feira (16/12).

A cotação do dólar e o movimento da Bovespa também são pressionados pela notícia de que o governo propôs a redução da meta fiscal de 2016 para um intervalo de zero a 0,5% do PIB, o que contraria o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, defensor da manutenção da meta de 0,7%.

O mercado aguarda a decisão do Federal Reserve (Banco Central dos EUA), sobre a elevação dos juros dos Estados Unidos, que será divulgada às 17h. 

Às 9h49, o dólar subia 1,59%, a R$ 3,9399.

Às 10h50, a moeda norte-americana avançava 1,47%, a R$ 3,9309.

Às 14h09, depois do anúncia de rebaixamento da nota do Brasil, a moeda norte-americana subia 2%, a R$ 3,9541.

Às 14h27, o dólar avançava 2,02%, a R$ 3,9521.

Às 14h48, a moeda tinha alta de 1,54%, a R$ 3,9338.

Na véspera, dólar caiu 0,25%, a R$ 3,8765, depois de subir três sessões consecutivas.

Na Bovespa, às 10h29, o índice Ibovespa recuava 0,88%, aos 44.478,39 pontos.  Por volta deste horário, as ações da Petrobras, Vale, siderúrgicas e bancos operavam em baixa.

Às 11h12, o Ibovespa recuava 1,28% aos 44.299,36 pontos.

Às 14h50, o índice tinha queda de 0,95% aos 44.447,91 pontos.

Às 14h47, o Ibovespa caía 0,10% aos 44.829,79 pontos.

Na terça-feira, a Bovespa fechou em alta de 0,28%, aos 44.872,46 pontos, sustentada principalmente pelas ações da Vale e da Petrobras, que por sua vez refletiram a melhora dos preços das commodities. No final da sessão, Vale ON e PNA tiveram alta de 3,37% e 4,15%, respectivamente. Os papéis da Petrobras avançaram 3,76% (ON) e 2,91% (PN).