Combustíveis não são avaliados pela ANP em 20 estados

Os contratos da Agência Nacional do Petróleo (ANP) com 16 universidades não são renovados desde março, deixando 20 estados sem monitoramento dos combustíveis.

Desde aquele mês, o número de postos monitorados caiu 53%. No Nordeste, desde junho nenhum posto tem a qualidade avaliada.

Apenas postos de Minas, São Paulo, Goiás, Tocantins e Rio Grande do Sul foram monitorados em agosto. O monitoramento ocorre antes da fiscalização. O objetivo é averiguar a qualidade da gasolina, etanol e diesel, identificando possíveis adulterações. O mapeamento de unidades sob suspeita é encaminhado à ANP, que tem poder de autuar os postos.

Os contratos são fechados por um ano e podem ser renovados por cinco. Passado esse período, as licitações devem ser refeitas. Esse processo teria sido afetado pelos cortes no orçamento do governo federal – por ano, a ANP gasta R$ 39 milhões com os laboratórios.