Para FMI, crise política e escândalos de corrupção aprofundaram recessão no Brasil

Durante encontro anual em Lima, no Peru, o Fundo Monetário Internacional (FMI) afirmou que o escândalo de corrupção investigado pela Operação Lava Jato e a crise política por que passa o Brasil tiveram papel fundamental na recessão econômica do país. 

Nesta quarta-feira (7), o Fundo divulgou um relatório em que as alegações de irregularidades no financiamento de campanha da corrida presidencial de 2014 também são citadas. Na visão dos economistas da instituição, o questionamento de contas do ano passado aumentam a turbulência política do país.

"A interação da crise econômica e da política alimentaram a incerteza e levaram a confiança empresarial e do consumir a mínimas histórias, minando adicionalmente a atividade econômica atual e futura", afirma o FMI. De acordo com o Fundo, a queda nos preços das commodities e outros fatores externos não tiveram tanto impacto na crise brasileira como sua conjuntura doméstica. 

A autoridade elogiou a atuação do Banco Central, mas lembrou a importância de que o Brasil aprove o ajuste fiscal. "O Brasil precisa continuar os esforços para a consolidação fiscal de modo a estabilizar a dívida pública, enquanto reduz a inflação elevada", diz o relatório. Hoje, a divulgação do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) mostrou uma elevação de 0,54% em setembro.

Durante todo o evento em Lima, que também reúne representantes do Banco Mundial, autoridades têm reforçado o papel chave da questão fiscal na recuperação econômica do Brasil. Leia mais em:

>>> Moody's não prevê cortes na nota do Brasil, mas reforça importância de ajuste fiscal

>>> FMI prevê retração de 3% do PIB brasileiro em 2015

>>> Brasil e Venezuela derrubam média de crescimento da América Latina

Por Ana Siqueira