'Les Echos': Deutsche Bank paga salários mais igualitários, diz pesquisa

Estudo foi feito com os dez maiores bancos do mundo

Entre os dez maiores bancos mundiais, qual é o que oferece a melhor remuneração para os diretores/presidentes e os analistas? O site de comparação salarial Emolument.com fez a pergunta, diz um artigo de Etienne Combier, do jornal francês Les Echos. 

“Da pesquisa, vem o dado que os dez maiores nomes das finanças mundiais pagam entre 4 e 21 milhões de euros anuais seus dirigentes, quando seus analistas, muito frequentemente jovens, ganham entre 72.000 e 100.000 euros. Essas somas incluem os salários mas também os bônus. 

No top 3 dos bancos mais generosos para os patrões, encontram-se o Goldman Sachs (21 milhões de euros), Morgan Stanley (20 milhões) e JP Morgan (17 milhões de euros). Para os analistas, o primeiro lugar revient ao Deutsche Bank com 101.000 euros, seguido de JP Morgan (98 790 euros) e Goldman Sachs e Morgan Stanley ex-aequo (97.900 euros). 

Là où l'étude prend tout son sens, c'est lorsqu'elle propose de comparer ces deux salaires. Se as remunerações dos chefes de finança se mantêm em níveis extremamente elevados sete anos depois da crise, as dos analistas estão a anos-luz. Dessa forma, um analista da Goldman Sachs ganha 218 vezes menos do que seu patrão. Esse número desce até 205 para o Morgan Stanley e 180 para o JP Morgan. 

Entre esses dados, um banco sobressai por um número particularmente baixo: o Deutsche Bank. Nele, um analista ganha "apenas" 61 vezes menos que seu chefe. Os dois diretores do Deutsche Bank são remuneradas em 6 milhões de euros anuais, bem longe dos 21 milhões de Lyod Blankfein no comando do Goldman Sachs. Segundo esses dados, se o Deutsche Bank não é exatamente igualitária, ela continua sendo a menos desigual do top 10 mundial.