Grécia rejeita proposta de credores, diz presidente do Eurogrupo

País recebeu um ultimato para fechar acordo até sábado 

Nesta quinta-feira (25/6) a Grécia recebeu um ultimato dos credores para fechar um acordo até sábado (27/6) para obter ajuda financeira e pagar ao Fundo Monetário Internacional (FMI) a parcela de 1,6 bilhão de euros.

O presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, disse que os credores apresentaram nesta quinta-feira (25/6) à Grécia uma nova proposta de reformas para Atenas. Segundo Dijsselbloem, os credores fizeram a proposta, mas não tiveram a "concordância dos gregos" sobre o assunto. Mais cedo, Dijsselbloem se reuniu com o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, numa tentativa de avançar nas negociações. As instituições que representam os credores da Grécia fizeram nesta quinta-feira (25) algumas concessões a Atenas.

A proposta revisada amplia o prazo para que a Grécia elimine totalmente um complemento de pagamento de aposentadorias, conhecido como Ekas, em dois anos até 2019, ante a proposta anterior dos credores.

Os credores também acertaram que a reforma do Imposto Sobre Valor Agregado (IVA), que extingue isenções menores para ilhas e eleva o imposto para restaurantes e hotéis, pode ser revisada no final do ano que vem "desde que receitas adicionais equivalentes sejam arrecadadas por medidas contra evasão fiscal e para melhorar a arrecadação do IVA".

Nesta quinta-feira (25/6) a Grécia recebeu um ultimato dos credores para fechar um acordo até sábado (27/6) para obter ajuda financeira e pagar ao Fundo Monetário Internacional (FMI) a parcela de 1,6 bilhão de euros.