Região Sul aumenta participação nas vendas da indústria nacional

A Região Sul aumentou a participação no valor de vendas da indústria em 2013. Somados, os três estados do Sul do país responderam por 20,6% do total nacional – alta de 0,8 ponto percentual em relação ao ano anterior. Os dados constam da Pesquisa Industrial Anual e foram divulgados hoje (24) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O Sudeste se manteve como a região que concentrou a maior parte da indústria naquele ano – 57,8% do valor total dos produtos e serviços industriais do país. O percentual, no entanto, caiu em relação a 2012, quando foi 58,9%.

As outras regiões do país tiveram participações que, somadas, superaram o Sul em apenas 1,1 ponto percentual. O Nordeste tinha a terceira maior participação, com 9,6%, e o Norte, a quarta, com 6,5%. A indústria do Centro-Oeste tinha a menor participação, com 5,6%.

A pesquisa constatou um aumento no número de empresas dedicadas ao setor de 2012 para 2013, de 328,5 mil para 334,3 mil, o que equivale a 2%. A média de pessoas ocupadas por empresa permaneceu em 27 e houve uma elevação no pessoal ocupado total – de 8,8 milhões para 9 milhões.

No ano, as empresas industriais gastaram R$ 2,8 trilhões com custos e despesas. A compra de combustível e energia elétrica corresponderam a 2,3% desse total, somando R$ 62,6 bilhões. O pagamento de serviços prestados a terceiros e consumos diversos para manutenção e reparos, aparece em seguida, como um dos investimentos importantes para as empresas, de 3,2% do total dos custos.

Já os gastos com pessoal somaram 14%, menos que o valor identificado em 2012 (14,3%). O custo das mercadorias revendidas, por outro lado, ficou abaixo do valor anterior, passando de 7,7% em 2012 para 7,1% em 2013.

Em relação ao valor da transformação industrial, que é a diferença entre o valor bruto da produção industrial e o custo em si das operações industriais, destacaram-se 29 setores, que concentram 68,2% do valor da transformação.

Entre eles, estão os setores de alimentação, fabricação de veículos automotores, extração de minérios metálicos, fabricação de produtos químicos, extração de petróleo e gás, máquinas, equipamentos e metalurgia, por exemplo.

De um ano para o outro, não houve mudanças no perfil dos setores que contribuem com maior peso para o valor da transformação industrial.