Brasil e México discutem a partir de julho ampliação de trocas comerciais

Os governos brasileiro e mexicano vão iniciar em julho as negociações para ampliar o acordo de complementação econômica que trata das relações comerciais entre os dois países. O anúncio foi feito pela presidenta Dilma Rousseff hoje (26), na Cidade do México, onde cumpre agenda de visita de Estado.

De acordo com a presidenta, apesar do aumento das trocas comerciais entre empresas de ambos os lados, os números estão "aquém do potencial do tamanho da economia e do tamanho dos nossos povos".

"O acordo abrange hoje um pouco mais 800 produtos. O que é aparentemente muito, mas para nós é pouco, tendo em vista os mais de 6 mil produtos que podemos levar a um acordo, e beneficiar reciprocamente nossas economias.

No menor prazo possível, nós vamos promover o incremento e o equilíbrio do comércio bilateral, com a inclusão de setores nessa lista, que hoje estão, infelizmente, fora dela", declarou.

Em declaração à imprensa, após reunião privada com o presidente mexicano Enrique Peña Nieto, Dilma Rousseff celebrou também o acordo de facilitação de investimentos, também firmado entre os dois países.

Ela ressaltou a importância de México e Brasil buscarem uma maior aproximação, já que são as maiores economias da América Latina, os países com as maiores populações e de grande extensão territorial.

Para Peña Nieto, a visita de Dilma é um divisor de águas com a assinatura desses dois principais acordos. As assinaturas de documentos entre ambos os países envolvem também cooperações nas áreas de turismo, meio ambiente, pesca, agricultura e serviços aéreos.

No México, desde ontem (25), a presidenta se encontrou nesta manhã com empresários brasileiros e recebe, amanhã (27), uma homenagem no Congresso da União às 11h, horário local (13h em Brasília).