'NYT': Banco do Canadá corta taxa básica, prevendo desaceleração

Banco central canadense reduziu sua taxa overnight de 1% para 0,75%, na primeira mudança desde 2010

“Prevendo uma grande desaceleração econômica diante da baixa dos preços do petróleo, o Banco do Canadá cortou de forma inesperada sua taxa básica de juros na quarta-feira”. É o que diz uma matéria do jornal americano The New York Times publicada nesta quinta-feira (22/01).

“O banco central canadense reduziu a taxa overnight de 1% para 0,75%. É a primeira mudança de taxa desde setembro de 2010.

O movimento acontece no momento em que o Canadá lida com as consequências dos preços mais baixos do petróleo, que agora se situam em torno de US$ 48 o barril. Nas últimas semanas, empresas nacionais  anunciaram uma profusão de cortes de gastos e demissões”, escreve o jornalista Ian Austen.

“Como resultado, o Banco do Canadá agora prevê que a economia vai crescer a uma taxa anual de 1,5% na primeira metade do ano. Isso está abaixo de uma estimativa prévia de 2,5% para o mesmo período.

Mas Stephen S. Poloz, o diretor do banco, mostrou uma provável luz no fim do túnel. O mais baixo valor do dólar canadense, outro subproduto dos baixos preços do petróleo, e a economia americana se recuperando vão ajudar a reforçar o setor industrial, que depende das exportações. Depois do comunicado de quarta-feira, o dólar canadense atingiu 81 centavos frente ao dólar americano, comparado aos 91 centavos de há um ano.

“É um revés, mas numa história que vem acontecendo com leveza e de forma positiva,” disse Poloz numa coletiva de imprensa, onde afirmou que o Canadá tem “duas economias” que estavam indo em direções opostas.

Nos últimos anos, preços altos de petróleo e o investimento que eles atraíram fizeram do oeste do Canadá, particularmente a província de Alberta, o motor da economia do país. Mas vários fabricantes em Ontario e Quebec sofreram devido às fraquezas na economia americana.

Agora a situação se inverteu, com a indústria do petróleo levando um forte golpe. Na quarta-feira, a Associação Canadense dos Produtores de Petróleo estimou que o investimento relativo à energia na região oeste do Canadá alcançaria somente 46 bilhões de dólares canadenses este ano, uma queda de 23 bilhões de dólares canadenses em relação a 2014.

Na semana passada, Joe Oliver, ministro das Finanças do Canadá, disse que a turbulência na economia do Canadá atrasaria a apresentação desse novo orçamento até pelo menos abril. Normalmente orçamentos federais são apresentados ao Parlamento antes do fechamento do ano fiscal do governo no final de março.

A grande incerteza para o Canadá é simplesmente sobre quanto tempo os preços do petróleo vão permanecer baixos. O banco central está prevendo que os preços vão se estabilizar em US$ 60 o barril ainda este ano.

Outros são menos otimistas. Arlene Kish, uma economista na IHS Global Insight em Toronto, disse que a previsão do banco central dependia demais de uma recuperação dos preços do petróleo, assim como uma melhoria nas exportações do setor não-energético.

Ela tampouco compartilhou a avaliação do banco de que o emprego estava crescendo. Além de anúncios recentes de cortes na indústria petroleira — só a Suncor, gigante em areias petrolíferas, está eliminando mil postos de funcionários contratados — Kish notou que a retirada da Target do Canadá deixaria em breve pelo menos 17.600 pessoas sem trabalho.

“Essa combinação coloca o setor doméstico do Canadá e as economias regionais produtoras de energia em uma posição precária”, escreveu ela.