Biocombustível: 335 mil toneladas anuais de óleo de palma serão produzidas

Previsão é de que iniciativa da Petrobras gere, até 2015, seis mil empregos no setor agroindustrial 

O projeto Belém Bioenergia Brasil, da Belém Bioenergia Brasil (BBB), foi assinado nesta terça-feira (1/4) pela Petrobras Biocombustível, a Galp Energia e a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam). O contrato, que foi assinado na capital do Pará, receberá recursos do Fundo de Desenvolvimento da Amazônia (FDA) e tem a previsão de uma produção de cerca de 335 mil toneladas anuais de óleo de palma, a partir de três polos agroindustriais do Estado. 

A estimativa vai além e prevê a fabricação de 270 mil toneladas de green diesel por ano em Portugal. O investimento do FDA foi anunciado em R$ 576 milhões e a conclusão das atividades será em 2015.

Pelas previsões no acordo, até o final deste mês, a plantação feita pela empresa deve abranger cerca de 43 mil hectares. No momento, já foram cobertos 27 mil hectares, com cerca de 4,3 milhões de mudas de palma nos municípios de Tailândia e Tomé-Açu, Moju, Ipixuna e Mãe do Rio. Outro fator positivo do projeto é a geração de emprego na região. Algumas áreas foram arrendadas pela BBB e nelas incentivado o cultivo próprio, abrindo 2.600 empregos diretos. Até 2015, seis mil trabalhadores devem ter ingressado no setor agroindustrial na região, através do Belém Bioenergia.

Parcerias com famílias de agricultores e produtores de médio e grande porte também devem ser oficializadas nesse período. Estrategicamente, a empresa incluiu novos contratos de agricultura familiar e em pouco tempo 320 acordos devem ser firmados com a classe paraense. Partindo dessa estimativa, cerca de 600 pequenos produtores devem ingressar no plantio até o final das atividades.     

Alberto Fontes, presidente da Petrobras Biocombustível, disse que o projeto tem uma estratégia que beneficiará a região, além da consolidação da empresa no setor. "Vamos, por meio dele, ampliar nossa atuação e participar de novos mercados como o europeu de biocombustíveis. Além disso, sabemos do seu impacto no desenvolvimento econômico regional que, além de ter uma vertente social com a inclusão da agricultura familiar, irá trabalhar com parcerias empresariais locais", destacou Fontes.