Poupança rural: CMN fixa três níveis de juros para financiamentos 

Em reunião extraordinária, o Conselho Monetária Nacional (CMN) aprovou hoje (8) resolução que estabelece três fatores de ponderação sobre os saldos de operações contratadas com recursos da poupança rural.

De acordo com nota divulgada pelo Banco Central, os saldos das operações de “investimento rural”, contratadas entre 1º de julho e 31 de dezembro deste ano, têm taxas de juros de 3,5% a 4% ao ano; e os saldos das operações de “custeio rural”, contratadas com agricultores familiares entre 1º de julho último e 30 de junho de 2014, têm juros de 1,5% a 3,5% ao ano.

No terceiro nível estão as operações com saldos de custeio rural e de estocagem, feitas no âmbito do Programa de Garantia de Preços Mínimos (PGPM), contratadas com médios e grandes produtores rurais entre 1º de julho deste ano e 30 de junho do ano que vem, com juros entre 4,5% e 5,5% ao ano.

De acordo com o BC, as operações com recursos da poupança rural são contratadas com taxas livres pactuadas entre as partes, instituições e tomadores, e as diferenças ponderadas visam a permitir que a contratação das operações seja efetivada com base nas taxas controladas do crédito rural.