Dólar sobe nas primeiras ofertas do dia

O dólar comercial opera com ganhos de 0,42% nas primeiras ofertas do dia. A moeda norte-americana era cotada a R$ 2,151 na compra e R$ 2,153 na venda.

De acordo com relatório diário da Lerosa Investimentos, a moeda estava apresentando comportamento aceitável até ser divulgada declaração do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, de que vê impacto limitado da alta do dólar na inflação e de que a política monetária fará o que tiver que ser feito. Esse tom mais austero trouxe alta forte para a curva de juros e deixou o dólar livre para mais altas, dando a impressão de que o BC não vai fazer intervenções sistemáticas. O sentimento ganhou força no fim da sessão e garantiu o dólar acima de R$2,15 no mercado futuro. A semana será decisiva para o fluxo de realocação de investimentos. Com a fala do Fed na quarta feira, os investidores tem esperança de que o as autoridades monetárias americanas seja mais claras de quando e como será feita a redução do programa de flexibilização monetária por lá. Esse é o ponto fundamental para que tenhamos clareza do que pode acontecer com juros das treasuries e, consequentemente, impactar na atratividade da moeda americana.

Entre os dados globais, a agência de estatísticas europeia Eurostat revelou que a Eurozona registrou um excedente comercial de € 14,9 bilhões em abril, após o recorde de € 22,5 bilhões em março (resultado revisto), segundo as primeiras estimativas.

Aqui no Brasil, a Fundação Getulio Vargas (FGV) publicou que o Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) referente a semana de 15 de junho de 2013 apresentou variação de 0,43%1, 0,05 ponto percentual (p.p.) abaixo da taxa registrada na última divulgação.    Além disso, o Banco Central divulgou o Boletim Focus, que na medição, a previsão para a taxa de câmbio em 2013 permaneceu em R$ 2,10. Para 2014 a taxa ficou em R$ 2,15.