Bolsas sobem com dados dos EUA

Dados da agenda norte-americana deixam investidores animados e as bolsas apresentam ganhos nesta quinta-feira. Aqui no Brasil, o Ibovespa acompanha o cenário externo.

Na Ásia, a Bolsa de Tóquio encerrou a sessão em baixa expressiva de 6,35%, arrastada pela valorização do iene e pelo temor de que o Banco Central interrompa a política de estímulos.

Na Europa, as bolsas caminham para um fechamento em direções opostas. Há pouco, o CAC-40, de Paris, registrava ganhos de 0,12%, aos 3.798 pontos. O DAX, de Frankfurt, desvalorizava 0,71%, aos 8.085 pontos. E o índice FTSE-100 ganhava 0,04%, aos 6.301 pontos.

O Banco Mundial prevê uma desaceleração do crescimento no planeta em 2013, mas estima que o panorama é mais "estável" que antes da crise, segundo as previsões semestrais publicadas na quarta-feira. A instituição estima um crescimento global para este ano de 2,2% e uma expansão de 5,1% nos países em desenvolvimento, abaixo do crescimento registrado em 2012 (2,3%) e menor que a previsão publicada em janeiro pelo Banco (2,4%).

Em Wall Street, bolsas sobem com dados locais. Com isso, o índice Dow Jones ganhava 0,26% aos 15.034 pontos; o S&P 500 tinha valorização de 0,35% a 1.618 pontos; e a bolsa eletrônica Nasdaq operava com ganhos de 0,32% aos 3.411 pontos.

Na região, o Departamento de Trabalho dos Estados Unidos revelou que os pedidos de seguro-desemprego caíram pela terceira semana consecutiva no País durante o primeiro período de junho. De acordo com os dados corrigidos de variações sazonais, foram registrados 334.000 pedidos de seguro-desemprego na semana que terminou em 8 de junho, 12.000 a menos (-3,4%) que na anterior, abaixo do número previsto pelos analistas de 345.000 pedidos.

O Departamento também informou que o índice de preços de produtos importados nos Estados Unidos recuou 0,6% em maio de 2013, se comprado ao mês anterior. Em abril, houve uma queda de 0,7% (dado revisado).

Além disso, o Departamento do Comércio do país anunciou que o Índice de vendas no varejo avançou 0,6% no mês de maio, para US$ 421 bilhões, de acordo com dados ajustados sazonalmente. Em abril o índice registrou um avanço de 0,1%, após revisão.

Aqui no Brasil, o Ibovespa acompanha o cenário externo e sobe. Há pouco, o índice avançava 0,79%.

E abrindo a agenda de indicadores brasileiros, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelou que em abril de 2013, o Comércio Varejista do País registrou altas de 0,5% no volume de vendas e de 0,8% na receita nominal, ambas as variações em relação ao mês anterior, ajustadas sazonalmente.

Na renda fixa, os juros futuros operam em queda. Instantes atrás, o contrato de DI, com vencimento em janeiro de 2015, o mais negociado, apresentava taxa anual de 9,65%.

Já o dólar opera com perdas de 0,60%. Há pouco, a moeda era vendida a R$ 2,140.