Ações da OGX continuam despencando na Bolsa

Sorte da Vale Eike não ter virado sócio da empresa

As ações da OGX, do empresário Eike Batista, que hoje enfrenta dificuldades financeiras, continuam se desvalorizando na Bolsa de Valores e chegando aos seus níveis mais baixos desde que foram lançadas em 2008. Naquele ano, cada ação da empresa valia R$ 1.225, mas em  dezembro de 2009 a OGX fez um desdobramento de uma por 100, estratégia adotada visando o aumento do volume de negócios.

A mudança deu certo e até houve uma valorização dos papéis. Cada acionista ficou com o mesmo valor em mãos, mas com um número maior de ações de menos valor. Nessa mesma época, Eike, num arroubo expansionista, declarou que poderia pensar em adquirir ações da Vale. "Nós temos muito capital, e se houver espaço para nós, podemos fazer as coisas acontecerem. Nós estamos sempre analisando este tipo de coisa", afirmava na época o ainda próspero bilionário.

Eike, sob o brilho de suas empresas e dando conselhos sobre gestão de negócios, afirmava também que a Vale poderia fazer mais para ampliar a infraestrutura do Brasil, investindo em novas siderúrgicas. “O Brasil é o produtor de aço mais barato do mundo e por isso acho que a Vale pode ampliar seus investimentos”, disse ele.

Eike chegou a negociar a compra de parte das ações da empresa em posse do Bradesco, mas teve sua proposta negada. O banco possui  até hoje 17,5% do capital da Vale. Nesse período, as ações da empresa se mantiveram no mesmo patamar, variando entre R$ 27,00 a R$ 29,00. Já as ações da OGX que chegaram a valer R$ 12,25 hoje estão sendo comercializadas na bolsa por cerca de 1,00, mas, segundo investidores, seu verdadeiro valor está por volta de R$ 0,70.