Europa e Japão devem derrubar bolsas mundiais

As principais bolsas de valores mundiais devem apresentar queda nesta quarta-feira, influenciadas pelo discurso do primeiro-ministro do Japão e pelos índices dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) de serviços da Europa. Diante deste cenário, os índices europeus e o indicador futuro das bolsas norte-americanas operam em campo negativo.

Com isso, o mercado acionário asiático encerrou a sessão em queda, refletindo a expectativa de redução dos estímulos monetários nos EUA. Em especial, na China, as perspectivas de menor crescimento seguem influenciando negativamente o mercado, enquanto no Japão o discurso do primeiro-ministro sobre o crescimento japonês se mostrou aquém das expectativas.

Segundo Octavio de Barros, diretor de pesquisas e estudos econômicos do Bradesco, as medidas anunciadas hoje pelo primeiro ministro Shinzo Abe contemplam desde estímulos para a entrada de investimentos estrangeiros no país até a criação de creches para incluir mais mulheres à força de trabalho. Entretanto, a falta de maiores detalhes e o prazo dilatado para que as metas sejam atingidas frustraram as expectativas dos agentes econômicos, que esperavam medidas concretas de estímulo no curto prazo.

Na Europa, as principais bolsas da região apresentam desempenho negativo nesta manhã, influenciadas pelos números da agenda local. Há pouco, o CAC-40, de Paris, registrava perdas de 1,11%, aos 3.882 pontos. E o DAX, de Frankfurt, desvalorizava 0,88%, aos 8.223 pontos. E o índice FTSE-100 perdia 1,39%, aos 6.467 pontos.

Na região, o instituto Markit Economics revelou que o índice gerente de compras (PMI, na sigla em inglês) composto da Zona do Euro registrou avanços em maio, apresentando 47,7 pontos ante os 46,9 pontos apresentados no mês anterior.

E em abril, as vendas no varejo registraram queda de 0,5% na Zona do Euro e 0,7% na União Europeia em comparação com o mês anterior, segundo  dados do Markit Economics.

Além disso, a agência europeia de estatísticas Eurostat divulgou que a economia da Eurozona registrou contração 0,2% no primeiro trimestre do ano, após um recuo de 0,6% no último trimestre de 2012.

Por outro lado, o Markit Economics afirmou que em maio, o índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) de serviços da Alemanha avançou a 49,7 pontos, após ter registrado 49,6 pontos em abril.

Em Wall Street, o indicador futuro das bolsas norte-americanas aponta para uma abertura em campo negativo. Mas, investidores aguardam a divulgação da criação de vagas na pesquisa da ADP de maio.

Aqui no Brasil, o Ibovespa a bolsa deve seguir a tendência externa de baixa. “Mas o real tende a apreciar, em resposta à isenção de IOF incidente sobre o ingresso de moeda estrangeira na aplicação em renda fixa”, declarou Barros.

E abrindo a agenda de indicadores internos, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), medido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), na cidade de São Paulo, registrou queda de 0,10% no mês de maio, contra os 0,28% registrados em abril.

Por fim, no mercado de câmbio, o dólar deverá apresentar valorização em relação às demais moedas.