Bolsas caem com dados globais

Discurso do primeiro-ministro do Japão e índices dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) de serviços da Europa deixam investidores cautelosos e as principais bolsas de valores mundiais apresentam desempenho negativo nesta quarta-feira. Aqui no Brasil, o Ibovespa recua sentindo os reflexos da isenção do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) ao investidor estrangeiro que investe em renda fixa.

Diante deste cenário, o mercado acionário asiático encerrou a sessão em queda, refletindo a expectativa de redução dos estímulos monetários nos EUA. Em especial, na China, as perspectivas de menor crescimento seguem influenciando negativamente o mercado, enquanto no Japão o discurso do primeiro-ministro sobre o crescimento japonês se mostrou aquém das expectativas.

Hoje, o primeiro ministro do Japão, Shinzo Abe, anunciou algumas medidas que contemplam desde estímulos para a entrada de investimentos estrangeiros no país até a criação de creches para incluir mais mulheres à força de trabalho. Entretanto, a falta de maiores detalhes para que as metas sejam atingidas frustraram as expectativas dos agentes econômicos.

Na Europa, as principais bolsas da região apresentam desempenho negativo, influenciadas por números da agenda local. Há pouco, o CAC-40, de Paris, registrava perdas de 1,65%, aos 3.861 pontos. E o DAX, de Frankfurt, desvalorizava 1,13%, aos 8.202 pontos. E o índice FTSE-100 perdia 2,03%, aos 6.425 pontos.

Na região, o instituto Markit Economics revelou que o índice gerente de compras (PMI, na sigla em inglês) composto da Zona do Euro registrou avanços em maio, apresentando 47,7 pontos ante os 46,9 pontos apresentados no mês anterior.

E em abril, as vendas no varejo registraram queda de 0,5% na Zona do Euro e 0,7% na União Europeia em comparação com o mês anterior, segundo  dados do Markit Economics.

Além disso, a agência europeia de estatísticas Eurostat divulgou que a economia da Eurozona registrou contração 0,2% no primeiro trimestre do ano, após um recuo de 0,6% no último trimestre de 2012.

Por outro lado, o Markit Economics afirmou que em maio, o índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) de serviços da Alemanha avançou a 49,7 pontos, após ter registrado 49,6 pontos em abril.

Em Wall Street, o cenário não é diferente e bolsas caem. Com isso, o índice Dow Jones perdia 0,82% aos 15.052 pontos; o S&P 500 tinha desvalorização de 0,88% a 1.617 pontos; e a bolsa eletrônica Nasdaq operava com baixa de 0,84% aos 3.416 pontos.

Por lá, a empresa de serviços de informática ADP anunciou que as contratações se aceleraram no setor privado dos Estados Unidos maio, porém, o número ficou abaixo do esperado pelo mercado. As empresas privadas criaram em maio 135 mil empregos, o que representa uma alta do saldo líquido de contratações em relação a abril, quando registrou 113 mil empregos, segundo os dados da ADP.

Aqui no Brasil, o Ibovespa apresenta desempenho negativo em linha com o mercado externo. Há pouco, o índice recuava 1,59%.

Entre as informações que ganham destaque internamente, à medida do governo que zerou o IOF para aplicações estrangeiras em renda fixa na noite de ontem, deixou os investidores cautelosos. 'A medida é de longo prazo e não é para ter efeito imediato. Queremos deixar livre para aplicações em renda fixa, títulos do governo brasileiro. Na verdade, já havia aplicações, mas tínhamos diminuído muito sua rentabilidade, com IOF de 6%. Hoje, não faz muito sentido. Não há todo esse fluxo porque também a rentabilidade caiu na medida em que a taxa de juros é bem diferente [em comparação a] quando estabelecemos essa medida', disse o ministro da Fazenda, Guido Mantega.

E abrindo a agenda de indicadores internos, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), medido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), na cidade de São Paulo, registrou queda de 0,10% no mês de maio, contra os 0,28% registrados em abril.

Na renda fixa, os juros futuros operam em alta. Instantes atrás, o contrato de DI, com vencimento em janeiro de 2015, o mais negociado, apresentava taxa anual de 9,03%.

Já o dólar opera com perdas de 0,42%. Há pouco, a moeda era vendida a R$ 2,126.