Confiança de Serviços registra ligeiro avanço  

O Índice de Confiança de Serviços (ICS) da Fundação Getulio Vargas avançou ligeiramente entre fevereiro e março de 2013, com acréscimo de 0,3%, ao passar de 122,1 para 122,4 pontos, com ajuste sazonal. Entre os 12 segmentos pesquisados, seis apresentaram crescimento nesta mesma base de comparação. Considerando variações trimestrais, observa-se estabilidade do ICS no primeiro trimestre de 2013 em relação ao trimestre anterior, após aumento de 3,1% no quarto trimestre do ano passado.

A evolução do ICS entre fevereiro e março resultou de aumento de 1,7% no Índice de Situação Atual (ISA-S) e do recuo de 0,8% no Índice de Expectativas (IE-S). O ISA-S alcançou 105,8 pontos, mantendo-se inferior à média histórica de 110,7 pontos, enquanto o IE-S atingiu 138,9 pontos - também um pouco abaixo da média histórica (139,6 pontos).

A alta de 1,7% no ISA-S entre fevereiro e março foi influenciada, sobretudo, pelo avanço de 4,0% no quesito que mede a percepção sobre a situação atual dos negócios. A proporção de empresas que percebem a situação como boa passou de 26,8% para 29,0%, ao mesmo tempo em que a parcela das que a consideram ruim diminuiu de 16,4% para 14,2%. O indicador que avalia o volume de demanda atual recuou 0,9%.

O indicador que mede a tendência dos negócios para os meses seguintes foi o que mais contribuiu para a queda do IE-S, ao recuar 0,8% em março, frente a fevereiro. A proporção de empresas prevendo melhora da situação passou de 47,9% para 46,7%, enquanto a parcela daquelas prevendo piora caiu ligeiramente, de 5,6% para 5,5%. O indicador do quesito demanda prevista passou de uma queda de 2,5% em fevereiro, para -0,9% em março. A proporção de empresas prevendo demanda maior dos negócios passou de 44,7% para 44,1%, e a parcela das que esperam demanda menor saiu de 6,9% para 7,6%.

De maneira geral, os indicadores da Sondagem de Serviços em março de 2013 reforçam o quadro de uma recuperação ainda tímida do setor de serviços no primeiro trimestre do ano.