Presidente da Audi se diz ofendido por novo regime automotivo

O presidente da Audi, Ruper Standler, afirmou se sentir ofendido pelas novas regras de importação adotadas pelo governo brasileiro no final do ano passado, informou a Folha de S.Paulo nesta quinta-feira. Segundo o jornal, com o aumento de 30 pontos percentuais no Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), a montadora alemã diminuiu as expectativas de venda em um terço. Para a empresa, não há como empresas do segmento ‘premium’ conseguirem cumprir as mesmas exigências que uma Volkswagen, por exemplo.

Segundo o presidente, a montadora não tem como cumprir todos os pontos do projeto do governo - que prevê que ao menos 6 das 12 etapas de fabricação tenham que ser feitos no País. 

Para ele, é muito mais cômodo vender na China, onde a fábrica vende 400 mil unidades sem dor de cabeça, do que no Brasil - que compra apenas 2 mil unidades, informou a publicação

.