Dados norte-americanos devem influenciar pregão

Dados da agenda econômica americana devem influenciar o pregão mundial desta segunda-feira. Diante deste cenário, os índices europeus e o indicador futuro das bolsas norte-americanas operam próximos da estabilidade.

Por outro lado, as principais bolsas asiáticas encerraram o primeiro pregão da semana em alta, influenciadas pelo crescimento do indicador de lucro industrial na China, que apontou ganho interanual de 19% em dezembro, divulgado no final de semana pelo Escritório Nacional de Estatísticas. Já a bolsa japonesa foi na contramão e mostrou queda. A Bolsa de Tóquio fechou nesta segunda-feira em baixa de 0,94%, pressionada por um aumento do valor do iene e pela prudência antes de um novo dia de resultados empresariais. O índice Nikkei 225 dos principais valores perdeu 102,34 pontos, a 10.824,31 pontos.

Por lá, foi divulgado que o governo japonês prevê um crescimento de 2,5% em termos reais no ano orçamentário de abril de 2013 a março de 2014, graças a uma recuperação da demanda interna estimulada por um plano de reativação massivo anunciado no início de janeiro pelo primeiro-ministro, Shinzo Abe.

Além disso, os construtores japoneses de automóveis Toyota e Nissan anunciaram nesta segunda-feira, 28, um recorde de vendas de veículos em 2012, que mostra uma clara recuperação de suas atividades após um ano de 2011 marcado por um terremoto no Japão. A Toyota vendeu 9,75 milhões de veículos (+22,6% em um ano) e recuperou a liderança mundial, na frente da americana General Motors (GM) e da alemã Volkswagen.  A Nissan, por sua vez, vendeu 4,94 milhões de veículos em 2012 (+5,8%).

Contudo, as bolsas europeias operam em níveis próximos da estabilidade à espera de dados econômicos a serem divulgados nos EUA. Há pouco, o CAC-40, de Paris, registrava ganhos de 0,02%, aos 3.779 pontos. E o DAX, de Frankfurt, desvalorizava 0,01%, aos 7.857 pontos. E o índice FTSE-100, de Londres, operava com alta de 0,03% aos 6.286 pontos.

Em Wall Street, o indicador futuro das bolsas norte-americanas aponta para uma abertura em campo positivo. Mas, investidores aguardam a publicação das encomendas de bens duráveis e as vendas de imóveis pendentes de dezembro. E a divulgação do índice de atividade do Fed de Dallas de janeiro.

Por aqui, o Ibovespa, deverá mostrar ajustes no início do pregão, após o feriado de sexta-feira.

Abrindo a agenda de indicadores brasileiros, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), medido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), na cidade de São Paulo, registrou avanços e ficou em 1,04% na terceira prévia de janeiro, ante 0,96% registrados na semana anterior.

No mesmo sentido, o Índice Nacional de Custo da Construção - M (INCC-M) registrou, em janeiro, taxa de variação de 0,39%, acima do resultado do mês anterior, de 0,29%, segundo dados da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Por fim, no mercado de câmbio, as principais moedas devem perder valor para o dólar.