Volatilidade domina pregão brasileiro

O principal índice acionário da BM&FBovespa, o Ibovespa, apresenta volatilidade diante de investidores cautelosos com relação a votação da proposta de extensão no prazo de elevação do teto da dívida dos Estados Unidos.  Há pouco, o índice, desvalorizava 0,05%, aos 61.664 pontos. O giro financeiro da bolsa marcava R$ 1.312 bilhão.

De acordo com relatório diário da Lerosa Investimentos, o quadro desinteressante para os ativos brasileiros permanece. Baixo crescimento com inflação. Esse cenário é reforçado hoje com os indicadores do IPCA-15 e IPC-S. O governo engessado não pode reduzir juros (que já estão nas mínimas históricas) o que atrasa a retomada do crescimento. Esse cenário preocupa investidores que esperavam que o ano de 2013 fosse diferente do difícil ano de 2012. Por enquanto não temos motivos para desempenho aceitável e os setores vinculados ao mercado interno podem sofrer mais com a corrosão do poder de compra, ou pelo menos, menor incremento da renda real. Qualquer realização de lucros lá fora, pode ter efeito bem mais negativo internamente.

Na agenda do Velho Continente, destaque para a taxa de desemprego no Reino Unido que subiu nos três meses até novembro. A taxa britânica ficou em 7,7% da população economicamente ativa, uma queda de 37 mil em relação ao trimestre anterior. As informações foram divulgadas hoje pelo ONS, o Escritório de Estatísticas Nacionais.

Além disso, a economia espanhola, em recessão desde o fim de 2011, agravou sua contração no quarto trimestre, embora o retrocesso total para o conjunto de 2012 será inferior ao previsto pelo governo, estimou nesta quarta-feira, 23, o Banco da Espanha. Segundo o organismo, o PIB da Espanha caiu 0,6% no quarto trimestre - depois de ter retrocedido 0,4% no segundo e 0,3% no terceiro - e 1,3% no conjunto do ano. O governo previa uma queda de 1,5% para 2012.

Em Wall Street, investidores aguardam a divulgação do índice de preços de imóveis de novembro.

Por lá, a Casa Branca acolheu favoravelmente um plano da oposição republicana que permitiria ao Estado continuar se endividando para se manter em funcionamento, até o mês de maio, informou um porta-voz do governo. O plano foi apresentado na Câmara de Deputados na segunda-feira e fixa como data limite para alcançar um acordo sobre um novo teto da dívida o dia 18 de maio.

Por aqui, o Ibovespa, oscila entre perdas e ganhos no mesmo sentido que as praças europeias. Há pouco, a bolsa brasileira, apresentava queda de 0,05%.

Abrindo a agenda de indicadores internos, o Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) referente a semana de 22 de janeiro apresentou variação de 1,03%, 0,14 ponto percentual (p.p.) acima da taxa registrada na última divulgação, segundo dados da Fundação Getulio Vargas (FGV).        

No mesmo sentido, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), uma prévia da inflação oficial, teve variação de 0,88% em janeiro e ficou 0,19 ponto percentual acima da taxa de 0,69% registrada em dezembro, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Entre as oscilações positivas em destaque na sessão estão os papéis da Klabin (PN) que avançavam 2,95% e a JBS (ON) que apresentavam alta de 2,75%. Em contrapartida, entre os destaques negativos, estão os papéis das Eletrobras (PNB), que recuavam 3,06% e a Usiminas (PNA) que apresentavam revés de 2,12%.