Novo plano sobre teto da dívida americana deve influenciar pregão

As principais bolsas de valores mundiais devem apresentar movimentos diversos diante de investidores cautelosos com um novo plano apresentado na Câmara de Deputados nos Estados Unidos, que visa fixar uma nova data limite para alcançar um acordo sobre um novo teto da dívida norte-americana. Diante deste cenário, os índices europeus e o indicador futuro das bolsas norte-americanas operam em direções opostas.

Enquanto isso, na Ásia, a bolsa do Japão encerrou o pregão desta quarta-feira, 22, novamente em queda, reagindo ao iene mais apreciado, enquanto as bolsas chinesas mostraram alta moderada. A Bolsa de Tóquio fechou com queda de 2,08% devido ao aumento do valor do iene e às decisões monetárias do banco central japonês, consideradas insuficientes. No fechamento, o índice Nikkei dos principais valores perdeu 222,94 pontos, a 10.486,99 pontos.

Na Europa, o mercado acionário caminha em direções opostas. Há pouco, o CAC-40, de Paris, registrava perdas de 0,18%, aos 3.734 pontos. E o DAX, de Frankfurt, valorizava 0,20%, aos 7.711 pontos. E o índice FTSE-100, de Londres, operava com alta de 0,08% aos 6.184 pontos.

Na agenda do Velho Continente, destaque para a taxa de desemprego no Reino Unido que subiu nos três meses até novembro. A taxa britânica ficou em 7,7% da população economicamente ativa, uma queda de 37 mil em relação ao trimestre anterior. As informações foram divulgadas hoje pelo ONS, o Escritório de Estatísticas Nacionais.

Além disso, a economia espanhola, em recessão desde o fim de 2011, agravou sua contração no quarto trimestre, embora o retrocesso total para o conjunto de 2012 será inferior ao previsto pelo governo, estimou nesta quarta-feira, 23, o Banco da Espanha. Segundo o organismo, o PIB da Espanha caiu 0,6% no quarto trimestre - depois de ter retrocedido 0,4% no segundo e 0,3% no terceiro - e 1,3% no conjunto do ano. O governo previa uma queda de 1,5% para 2012.

Em Wall Street, o indicador futuro das bolsas norte-americanas aponta para uma abertura em direções opostas. Mas, investidores aguardam a divulgação do índice de preços de imóveis de novembro.Por lá, a Casa Branca acolheu favoravelmente um plano da oposição republicana que permitiria ao Estado continuar se endividando para se manter em funcionamento, até o mês de maio, informou um porta-voz do governo. O plano foi apresentado na Câmara de Deputados na segunda-feira e fixa como data limite para alcançar um acordo sobre um novo teto da dívida o dia 18 de maio.

Por aqui, o Ibovespa, deverá acompanhar o cenário externo.

Abrindo a agenda de indicadores internos, o Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) referente a semana de 22 de janeiro apresentou variação de 1,03%, 0,14 ponto percentual (p.p.) acima da taxa registrada na última divulgação, segundo dados da Fundação Getulio Vargas (FGV).

No mesmo sentido, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), uma prévia da inflação oficial, teve variação de 0,88% em janeiro e ficou 0,19 ponto percentual acima da taxa de 0,69% registrada em dezembro, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Por fim, no mercado de câmbio, o dólar deve se valorizar em relação às principais moedas.