Ibovespa recua em linha com o mercado externo

O principal índice acionário da BM&FBovespa, o Ibovespa, opera com perdas no mesmo sentido que as praças europeias. Há pouco, o índice, desvalorizava 0,50%, aos 61.592 pontos. O giro financeiro da bolsa marcava R$ 1.392 bilhão.

De acordo com relatório diário da Lerosa Investimentos, com desempenho negativo de Petrobras e Vale, o Ibovespa acabou fechando em ligeira desvalorização, após passar o dia todo flutuando ao redor da estabilidade. A impressão é de que a temporada de boas notícias externas impede movimento mais forte de realização interna. O cenário de estagnação com inflação da economia brasileira mantém investidores no campo defensivo, sem fazer grandes apostas de altas expressivas e se contentando com ganhos menores. O dia de hoje promete ser novamente com poucas oscilações. O noticiário interno e externo não é expressivo na precificação dos ativos enquanto esperam-se indicadores mais importantes ao longo da semana. Setor energético é destaque de queda no mercado europeu. Commodities operam praticamente estáveis.

Ganhando destaque internacional, o Banco Central do Japão (BoJ) manteve a taxa de juros inalterada entre 0 e 0,1%, e anunciou a adoção de uma meta de inflação de 2%, além disso, decidiu ampliar a política de afrouxamento monetário, em linha com o que o governo japonês já vinha sinalizando, especialmente depois de comentários feitos pelo primeiro ministro Shinzo Abe.

Na agenda europeia, destaque para o Índice ZEW de sentimento econômico alemão que acelerou em janeiro. O índice ZEW sobre as expectativas de evolução da conjuntura alemã atingiu os 31,5 pontos no primeiro mês do ano, passando dos 6,9 registrados em dezembro, segundo revelou hoje, 22, o Instituto de pesquisas Zentrum für Europaische Wirtschaftsforschung (Zew), que mede a confiança na economia alemã entre os analistas financeiros e investidores institucionais. No mesmo sentido, o índice ZEW sobre as expectativas de evolução da conjuntura da Zona do Euro atingiu os 31,2 pontos em janeiro.    Contudo, a Espanha provavelmente não cumprirá sua meta de déficit fixada para 2012, de 6,3%, afirmou um relatório da Comissão Europeia (CE) divulgado nesta terça-feira. Além disso, o país captou € 2,785 bilhões a curto prazo com uma taxa de juros em forte queda em relação ao mês de dezembro, em um mercado tranquilo desde o início do ano.        Em Wall Street, investidores aguardam a divulgação do índice de atividade do Fed de Chicago e a publicação das vendas de imóveis existentes de dezembro.        

Abrindo a agenda de indicadores econômicos, na prévia de janeiro de 2013, o Índice de Confiança da Indústria (ICI) ficou relativamente estável ao passar para 106,6 pontos, uma variação de apenas 0,2% em relação ao resultado final de dezembro, segundo dados da Fundação Getulio Vargas (FGV). Com o resultado, o ICI alcançaria o maior patamar desde junho de 2011 (107,1 pontos), mantendo-se acima da média histórica recente.

Entre as oscilações positivas em destaque na sessão estão os papéis da Eletrobras (PNB) que avançavam 3,80% e a Eletrobras (ON) que apresentavam alta de 3,77%. Em contrapartida, entre os destaques negativos, estão os papéis das Oi (PN), que recuavam 6,90% e a Oi (ON) que apresentavam revés de 5,91%.