Dólar fica estável nas primeiras ofertas do dia

O dólar comercial opera estável nas primeiras ofertas do dia em meio as divulgações econômicas e corporativas globais. A moeda norte-americana era cotada a R$ 2,041 na compra e R$ 2,043 na venda.

De acordo com relatório diário da Lerosa Investimentos, o noticiário externo é mais fraco nesta manhã, dando espaço para que o apetite pelo risco retorne nos mercados. Os investidores aguardam por dados melhores para o setor de construção americano e redução nos pedidos de seguro desemprego. Serão divulgados os dados de atividade na China na madrugada de amanhã, e a expectativa é de expansão do PIB de 7,8% (a/a) no quarto trimestre de 2012. Projeta-se também uma retomada da produção industrial e elevação no ritmo de vendas a varejo. O clima mais otimista enfraquece o dólar, fazendo com que o euro suba 0,58% a US$ 2,3369. A manutenção de juros ontem colabora para a retomada da atividade, porém era uma medida amplamente esperada e, por tanto, sem impacto significante nos preços.

No Velho Continente, foi divulgado que a Espanha emitiu € 4,505 bilhões em dívida. O Tesouro espanhol colocou nesta quinta-feira, 17, € 4,505 bilhões (cerca de US$ 6,014 bilhões) em dívida pública a médio e longo prazo, voltando a se beneficiar de taxas em forte baixa, segundo dados do Banco da Espanha. Confirmando a distensão dos mercados, a Espanha emitiu 2,409,28 bilhões em bônus a três anos com uma taxa de 2,713%, contra os 3,358% da emissão anterior comparável, realizada em 13 de dezembro.    Em Wall Street, a Airbus ganha destaque. A construtora aeronáutica europeia Airbus perdeu para a Boeing seu posto de líder mundial do setor em 2012, mas superou seus objetivos com a entrega recorde de 588 aeronaves (534 em 2011) e a venda de 833 aviões contra os 650 previstos, anunciou nesta quinta-feira seu presidente, Fabrice Grégier. Para 2013, a Airbus espera 700 pedidos brutos e mais de 600 entregas. Também acredita que realizará o primeiro voo de seu avião de longa distância A350 "no fim de junho, início de julho".

No ambiente brasileiro, ontem, o Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu manter a manutenção da taxa Selic em 7,25% ao ano.

E abrindo a agenda de indicadores econômicos, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), medido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), na cidade de São Paulo, registrou avanços e ficou em 0,96% na segunda prévia de janeiro, ante 0,86% registrados na semana anterior.

Em sentido oposto, o Índice Geral de Preços - 10 (IGP-10) variou 0,42%, em janeiro, segundo dados da Fundação Getulio Vargas (FGV). Vale lembrar que a taxa apurada em dezembro foi de 0,63%. Em janeiro de 2012, a variação foi de 0,08%. Em 12 meses, o IGP-10 variou 7,79%.