Números dos EUA devem influenciar pregão

À espera de dados sobre a econômica norte-americana, as principais bolsas de valores mundiais devem apresentar volatilidade. Diante deste cenário, os índices europeus e o indicador futuro das bolsas dos Estados Unidos operam em campo negativo.

“Depois de seguidos ganhos ao longo da semana, os mercados internacionais aguardam a divulgação dos dados de emprego nos Estados Unidos, que serão conhecidos nesta manhã, e operam próximos à estabilidade”, disse Octavio de Barros, diretor de pesquisas e estudos econômicos do Bradesco. Analistas esperam que o relatório mostre uma criação de 93 mil postos de trabalho em novembro.

Enquanto isso, na Ásia, a maioria dos índices asiáticos encerrou o dia em alta hoje. Contudo, a Bolsa de Tóquio encerrou a sessão de sexta-feira em leve baixa de 0,19%. O índice Nikkei perdeu 17,77 pontos, a 9.527,39 unidades.

Já na Europa os índices operam em baixa no aguardo dos números da agenda norte-americana. Há pouco, o CAC-40, de Paris, registrava perdas de 0,20%, aos 3.594 pontos. E o DAX, de Frankfurt, desvalorizava 0,19%, aos 7.520 pontos. E o índice FTSE-100, de Londres, apresentava baixa de 0,11% aos 5.894 pontos.

Entre os dados do Velho Continente, o Bundesbank (banco central) reduziu nesta sexta-feira, 07, a previsão de crescimento na Alemanha a 0,7% para 2012, contra 1% até o momento, e a 0,4% em 2013, contra 1,6% anteriormente, e destacou uma desaceleração econômica temporária.

Contudo, a produção industrial do Reino Unido recuou 0,8% em outubro na comparação com o mês anterior, de acordo com o Escritório Nacional de Estatísticas (ONS, na sigla em inglês). Co isso, o número apresentado veio abaixo das previsões de analistas, que previam uma alta de 0,7%.

Em Wall Street, os índices futuros das bolsas norte-americanas são negociados em leve baixa. Mas,  investidores aguardam a divulgação dos dados da agenda econômica local.

Por aqui, o Ibovespa, deverá seguir em linha com o mercado externo.

Abrindo a agenda de indicadores econômicos, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que tem como objetivo oferecer a variação dos preços no comércio para o público final, do mês de novembro apresentou variação de 0,60% e ficou muito próximo da taxa de 0,59% registrada em outubro, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Para Barros, no mercado de moedas, o dólar deve recuar frente às principais moedas enquanto o euro registra apreciação.