Dilma: governo não recuará em decisão de reduzir preço da energia

Presidente reagiu à negativa de algumas empresas do setor elétrico 

Um dia após sofrer importante revés do plano para baratear o custo da energia elétrica em 2013, como anunciado em cadeia de rádio e televisão, a presidente Dilma Rousseff reagiu nesta quarta-feira à negativa de algumas empresas do setor elétrico em aceitar antecipar a concessão em troca de uma tarifa mais baixa. 

A previsão inicial do governo era uma redução média de 20,2% para o setor industrial. A paulista Celp, a mineira Cemig e a paranaense Cepel recusaram a proposta do governo.

"Reduzir o preço da energia é uma decisão da qual o governo não recuará apesar de lamentar profundamente a decisão daqueles que não percebem a importância disso para permitir que nosso País cresça de forma sustentável", disparou a presidente a uma plateia de empresários em Brasília.

O custo da energia elétrica é considerada um dos gargalos para a competitividade industrial brasileira. Segundo o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, o setor é responsável por 43% de todo o consumo energético do País.