PIB brasileiro decepciona investidores e Ibovespa recua

O principal índice acionário da BM&FBovespa, o Ibovespa, opera em queda com investidores avaliando o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro que veio abaixo do esperado pelo mercado. Há pouco, o índice, desvalorizava 0,64%, aos 57.481 pontos. O giro financeiro da bolsa marcava R$ 2.539 bilhões.

De acordo com relatório diário da Lerosa Investimentos, a divulgação do PIB brasileiro abaixo do esperado coloca em dúvida a capacidade de retomada da economia local. Nem mesmo a queda acentuada de juros promovida pelo Banco Central (BC) esta sendo capaz de ativar a economia e deixa claro que o governo tem que atacar o principal problema macroeconômico: alta carga tributaria tira potencial de consumo. Além disso, o setor elétrico pode respirar um pouco hoje, com o governo sinalizando maior flexibilidade na conta de indenização com a renovação das concessões. Mas, o noticiário americano continua sendo a principal fonte de volatilidade no intraday. Graficamente temos espaço para retornar para o patamar de 57.600 / 57.200 pontos.

Enquanto isso, no Japão, o governo japonês aprovou nesta sexta-feira, 30, um plano de apoio econômico de 880 bilhões de ienes (quase € 8,5 bilhões, US$ 10,7 bilhões) para incentivar a atividade e a criação de postos de trabalho.    

Entre os dados da agenda do Velho Continente, o desemprego na zona euro afetou em outubro 11,7% da população ativa, frente aos 11,6% de setembro, informou nesta sexta-feira, 30, o escritório europeu de estatísticas Eurostat. Trata-se de um novo recorde, que se traduz em 18,70 milhões de pessoas sem emprego em outubro nos 17 países da União Monetária que têm o euro como divisa.    

Contudo, as vendas no varejo na Alemanha em outubro mostraram queda de 2,75% em relação ao mês anterior, contrariando a expectativa de recuo mais modesto, de 0,3%.    

Por outro lado, o Banco Central Europeu (BCE) continua disposto a intervir "se for necessário" para preservar o euro, disse nesta sexta-feira, 30, em Paris o presidente da entidade, Mario Draghi, que lembrou que uma maior integração favorecerá sua estabilidade. "Faremos todo o necessário e estamos dispostos a intervir novamente, se for necessário", afirmou Draghi à emissora de rádio Europe 1, segundo uma tradução simultânea.    

Em Wall Street, foi divulgado que a renda pessoal dos norte-americanos praticamente ficou estável, chegando aos US$ 4 bilhões, em outubro na comparação com o mês anterior, de acordo com informações divulgadas hoje, 30, pelo Departamento de Comércio dos Estados Unidos. Já os gastos com consumo pessoal diminuiu US$ 20,2 bilhões, um declínio de 0,2% no mês de outubro.

Por aqui, a bolsa brasileira, opera em queda com investidores decepcionados com o PIB brasileiro. Já pouco, o índice, desvalorizava 0,64%.

Abrindo a agenda de indicadores brasileiros, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro do terceiro trimestre cresceu 0,6% na série com ajuste sazonal em relação ao segundo trimestre de 2012, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Entre as oscilações positivas em destaque na sessão estão os papéis da Eletrobras (PNB) que avançavam 18,69% e a Tran Paulist (PN) que apresentavam alta de 14,34%. Em contrapartida, entre os destaques negativos, estão os papéis da V-Agro (ON), que recuavam 5,55% e a Dasa (ON) que apresentavam revés de 4,25%.