Confiança do consumidor sobe pelo segundo mês consecutivo

 A confiança do brasileiro voltou a crescer em novembro, aponta a pesquisa Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (INEC), divulgada nesta quarta-feira, 28 de novembro, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O indicador chegou a 117 pontos, uma alta de 0,5% em relação a outubro e de 3,2% em relação ao mesmo mês do ano passado. O segundo aumento consecutivo do INEC demonstra que a tendência de estabilidade foi quebrada.

“Mesmo não tendo crescido tanto em novembro como em outubro, é importante registrar que voltamos a ter uma curva de crescimento, não mais de estabilidade”, afirmou o economista da CNI Marcelo Azevedo. 

Entre os seis indicadores que compõem o índice, três tiveram aumento em relação a outubro e cinco cresceram na comparação com o mesmo mês do ano passado.

Os destaques positivos ficaram por conta das expectativas com a renda pessoal, com alta d 2,9% ante outubro (para 118,1 pontos), situação financeira, que subiu 1,9% na mesma base de comparação (para 117,8 pontos) e compras de bens de maior valor, com aumento de 2,7% sobre o mês passado (para 116,1 pontos). 

“O aumento da intenção de compras de bens de maior valor é uma boa notícia. Cresceu sobre o mês passado e também sobre 2011”, disse Azevedo. Ele que lembrou que esse indicador é sempre influenciado no final do ano pelas compras de Natal.

As expectativas de inflação tiveram uma queda de 2,4%, ou seja, o consumidor está mais pessimista em novembro quanto ao aumento de preços. No entanto, o indicador está 8,1% acima do verificado no mesmo período de 2011. “Não é preocupante, está num patamar ainda elevado apesar da queda em novembro”, ressaltou Azevedo. 

O endividamento, que caiu 3,8% em novembro ante outubro, também não causa, por enquanto, preocupação. “É um indicador que oscilou muito nos últimos meses, mas como a situação financeira está bem e há intenção de compras de bens de maior valor, não preocupa”, explicou o economista.