Ibovespa recua puxado por OGX, Petrobras e Vale

O principal índice acionário da BM&FBovespa, o Ibovespa, opera em queda, em um dia onde faltam notícias positivas e a ansiedade que ronda a questão grega são motivos para que os investidores embolsem os lucros nesse início de semana. Além disso, a queda das ações da OGX, Petrobras e Vale puxam o índice ainda mais para o campo negativo. Há pouco, o índice desvalorizava 1,18%, aos 56.897 pontos. O giro financeiro da bolsa marcava R$ 1.293 bilhão.

De acordo com relatório diário da Lerosa Investimentos, a nossa bolsa também deve seguir o padrão externo e realizar parte dos lucros da última sexta-feira. Não temos um setor em destaque no dia de hoje, uma vez que commodities caem ligeiramente. Graficamente temos espaço para o índice futuro recuar para o patamar de 57.100 pontos. O rompimento desse suporte poderá trazer a cotação para 56.800 / 56.400 pontos. Reviravolta no mercado poderá vir do noticiário político europeu ou americano. Nessa situação, teremos resistência no 57.600 e 57.800 pontos.

Entre as notícias do Velho Continente, os ministros das finanças da zona do euro discutiram no sábado, por telefone, a redução da dívida grega e "chegaram a um acordo sobre a base para as negociações com o FMI", afirmou à AFP uma fonte europeia ligada às tratativas. A conferência por telefone, não confirmada oficialmente, durou quase 90 minutos, e seu objetivo foi preparar o encontro previsto para hoje, em Bruxelas, para desbloquear uma parcela da ajuda à Grécia de, ao menos, US$ 31,2 bilhões.

Além disso, o presidente catalão, Artur Mas, candidato à reeleição como presidente regional pela coalizão nacionalista de centro-direita Convergência e União (CiU), fracassou em seu objetivo principal: convocar eleições antecipadas para obter uma maioria absoluta do seu partido no parlamento, e com isso promover um referendo sobre a independência da Catalunha. O resultado, foi um revés significativo para o seu partido (CiU), e para ele. A CiU perdeu 12 assentos no parlamento catalão e agora detém 50 do total de 135, abaixo dos 62 que tinha anteriormente.

Abrindo a agenda de indicadores brasileiros, o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da Fundação Getulio Vargas recuou pelo segundo mês consecutivo entre outubro e novembro, ao passar de 121,7 para 120,0 pontos. Apesar de se manter acima da média histórica, a queda de 1,4% fez com que a média móvel trimestral do indicador voltasse a apresentar a tendência declinante observada entre maio e agosto deste ano.

Além disso, o Boletim Focus, divulgado pelo Banco Central (BC), apontou que a previsão para a taxa de câmbio em 2012 permaneceu em R$ 2,03. Para 2013 a taxa ficou em R$ 2,02.

Entre as oscilações positivas em destaque na sessão estão os papéis da Eletrobras (ON) que avançavam 4,37% e a Brasil (ON) que apresentavam alta de 3,67%. Em contrapartida, entre os destaques negativos, estão os papéis da MMX (ON), que recuavam 3,91% e a OGX (ON) que apresentavam revés de 3,90%.