França proibirá seus bancos de realizar negociações de alta frequência

A França proibirá com sua futura reforma bancária as negociações de alta frequência, com suas milhões de ordens de compra e venda realizadas por computador e que tem sua utilidade muito questionada, anunciou nesta quinta-feira o ministro da Economia, Pierre Moscovici.

Esta reforma, prometida há um ano pelo atual presidente francês, François Hollande, quando era candidato, tem como objetivo "separar as atividades úteis para a economia real das operações especulativas que os bancos realizam por conta própria", disse Moscovici.

Para isso, imporá a cada banco a criação de uma filial dedicada às atividades de mercado que não estão diretamente destinadas ao financiamento da economia.

Esta entidade "estará submetida a uma separação (do restante das atividades do banco) e a severas exigências preventivas", afirmou o ministro, no âmbito de uma intervenção ante a Autoridade de mercados financeiros.

A filial não poderá "realizar certas atividades especulativas muito criticadas, entre elas a especulação sobre os derivados de matérias primas agrícolas ou as negociações de alta frequência", acrescentou.