Espanha deve influenciar pregão novamente 

As principais bolsas de valores mundiais devem operar em queda, com investidores no aguardo de novidades sobre a Espanha. Enquanto isso, os índices europeus operam de lado e o indicador futuro das bolsas norte-americanas aponta para uma abertura em queda.

Na Ásia, as bolsas fecharam o último pregão da semana em alta, com recuperação sensível nos indicadores das bolsas chinesas, embora Japão tenha mostrado queda, contrariando a tendência regional, após a produção industrial de agosto ter recuado mais do que o mercado esperava. A bolsa de Tóquio encerrou a sessão de sexta-feira em baixa de 0,89%. O índice Nikkei 225 perdeu 79,71 pontos, a 8.870,16 unidades.

Já na Europa, os mercados acionários operam em direções opostas à espera dos detalhes do teste de stress dos bancos espanhóis, que deve ser divulgado no início da tarde.  Além disso, a agência de classificação financeira Moody's concluirá a revisão sobre o rating espanhol ainda hoje.

Há pouco, o CAC-40, de Paris, operava com perdas de 1,17%, aos 3.398 pontos, o DAX, de Frankfurt, desvalorizava 0,37%, aos 7.263 pontos. E o índice FTSE-100, de Londres, tinha alta de 0,03% aos 5.781 pontos.

Contudo, a inflação na Espanha registrou uma forte alta de 3,5% em ritmo anual em setembro, primeiro mês em que foi aplicado o aumento do IVA para ajustar as contas públicas, segundo dados provisórios do Instituto Nacional de Estatísticas (INE).

Na agenda econômica, destaque para inflação ao consumidor na Zona do Euro que acelerou em setembro, por conta das pressões vindas de energia e aumento de impostos em algumas regiões. O índice de preços ao consumidor da Área do Euro subiu 2,7% em setembro, na estimativa preliminar divulgada esta manhã.

Entre as notícias da região, a dívida pública da França aumentou € 43,2 bilhões no segundo trimestre de 2012, a € 1,832 trilhão no fim de junho, o que representa 91% do Produto Interno Bruto (PIB), anunciou o instituto nacional de estatísticas Insee.

Em Wall Street, o indicador futuro das bolsas norte-americanas aponta para uma abertura em queda, mas, investidores aguardam a divulgação do rendimento pessoal e gastos pessoais de agosto. Por aqui, o Ibovespa, deverá seguir em linha com o mercado externo.

Abrindo a agenda de indicadores brasileiros, o Índice de Confiança de Serviços (ICS) da Fundação Getulio Vargas avançou 2,9% entre agosto e setembro de 2012, na série com ajuste sazonal, ao passar de 117,5 para 120,9 pontos.

Para finalizar, no mercado de câmbio, moedas internacionais oscilam contra o dólar sem direção única.