BC: menor custo de energia terá impacto significativo na inflação 

Brasília - O presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, afirmou nesta quarta-feira que o pacote de redução dos custos da energia elétrica anunciado ontem pelo governo federal afetará "significativamente" a inflação do próximo ano. Em apresentação para parlamentares na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, Tombini afirmou que ainda não é possível prever numericamente qual será o impacto do pacote nos preços ao consumidor em 2013.

"O número do impacto será divulgado no final do mês de setembro, nas nossas projeções trimestrais de inflação. Vamos fazer um cálculo refinado do aumento da oferta e da redução de custos, do impacto direto nas contas do consumidor. O impacto deve ser significativo e expressivo", disse o presidente da autoridade monetária.

Na manhã de ontem, o governo federal anunciou um plano de redução nos custos da energia, que deve gerar um desconto entre 16% e 28% no valor das contas de luz da indústria, comércio e famílias a partir do ano que vem. Os técnicos do governo decidiram eliminar dois tributos: a Reserva Global de Reversão (RGR) e a Conta de Consumo de Combustíveis (CCC). Os programas de universalização da energia elétrica e programas de ampliação do acesso ao serviço, como o Luz pra Todos e a Tarifa Social, serão financiados pela Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), cujo custo será reduzido em 75%.

Entenda

- O plano de redução nos custos da energia do governo federal vai reduzir entre 16% e 28% o valor das contas de luz da indústria, do comércio e das famílias

- Para as famílias e o comércio, o desconto médio será de 20,2%

- A previsão é que a redução chegue aos consumidores a partir do ano que vem

- A redução tende a ser maior para os maiores consumidores de energia, como fábricas e grandes empreendimentos 

- A redução das tarifas poderá ser ainda maior, dependendo da conclusão dos estudos pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel)

- Para a redução se tornar realidade, foram eliminados dois tributos: a Reserva Global de Reversão (RGR) e a Conta de Consumo de Combustíveis (CCC)

- Já os programas de universalização da energia elétrica e de ampliação do acesso ao serviço, como o Luz pra Todos e a Tarifa Social, serão financiados pela Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), cujo custo será reduzido em 75% 

- A medida faz parte da série de pacotes do governo para reduzir os custos da produção no Brasil e melhorar a competitividade frente aos competidores estrangeiros